Terça-feira, 26 de setembro de 2017.

Diretas já!

publicada em 22 de maio de 2017
Diretas já!
por uberlandiahoje

Roberto Bueno*

Michel Temer já é um cadáver político insepulto que exala mal odor há muito tempo, um zumbi a quem o dinheiro paulistano conferia força de ação política. Sempre foi um fantoche no poder, manipulado por toda a falsa base de apoio político que cobrava altíssimas somas em espécie para aprovar os projetos econômicos dos sócios do já ex-presidente-fantoche. Tais projetos visaram exclusivamente maximizar os lucros dos bilionários que comandam o poder político exercido por terceirizados como Temer. O projeto em curso extrairia benefícios para os bilionários à custa da população, que durante vários anos experimentou uma sensível melhoria em suas condições de vida.
Agora, com a quebra do sistema democrático-constitucional e a ruptura de mínimas bases de representatividade parlamentar, eis que a população mais pobre e a classe média foram chamadas a pagar a conta da alta transferência de recursos que o governo golpista de Temer. Hoje termina o consórcio entre os atores jurídicos, o empresariado, os falsos representantes políticos e a grande mídia que, por certo, já aciona o seu plano “b”, pois não está mais em condições de dar-lhe suporte sem hipotecar a si mesma. Game over.
A partir da noite deste dia 17 de maio de 2017, Temer já é um ex-Presidente em funções, desde que veio a público o teor da delação dos proprietários do frigorífico JBS, os irmãos Batista, na qual denunciam a entrega de dinheiro a Aécio Neves e Eduardo Cunha. Milhões para que ficasse calado e nada dissesse contra Temer, que aparece na gravação pedindo que os valores pagos para que Cunha não falasse fossem mantidos. Os irmãos Batista gravaram Temer dando aval para comprar o silêncio de Cunha após a sua prisão. Também gravaram o Senador Aécio Neves pedindo R$2 milhões de reais que foram finalmente entregues a um intermediário indicado pelo Senador. Detalhe: toda a operação foi filmada pela Polícia Federal, que seguiu a pista do dinheiro através da prévia numeração da série do dinheiro entregue e também com a colocação de chips eletrônicos nas malas que, por certo, teriam ido parar em empresas de Zezé Perrella com quem, recordemos, parece já ter ocorrido algum fato envolvendo a ambos os personagens e um helicóptero carregado de cocaína, caso aliás nunca bem explicado.
Honrando minimamente o direito, algo do que tampouco devemos nos fiar tanto assim, eis que se pode assumir que Temer já tem a data de validade carimbada em sua testa, e em nenhum caso deverá passar do dia 6 de junho de 2017, quando o Tribunal Superior Eleitoral julgará a chapa que compôs com a legítima Presidente Dilma Rousseff. Temer está sendo defenestrado do poder muito tardiamente. Mas cabe notar que a sua saída obedeceu o mesmo rito que Eduardo Cunha em seu momento. Cunha foi mantido pelos mesmos atores que apenas agora tornam públicas as provas contra Temer. Nos dois casos os personagens eram figuras conhecidas, mas foi permitido que executassem em consórcio com os elementos antipolíticos e ilegítimos toda a rapinagem nos bens públicos e dessem curso ao processo de desconstitucionalização do país. As altas instâncias jurídicas do país permitiram liberdade para que um conjunto de vândalos tripudiasse sobre a nação. Fizeram o mesmo com Cunha, permitindo que levasse a termo o golpe contra Dilma, e uma vez finalizado, como se esperava, perdeu a utilidade, e foi preso. E contra os demais que hoje estão na ribalta o roteiro será idêntico ao do jacobino Robespierre.
Já não será mais possível para o Poder Judiciário ou para o Ministério Público em qualquer instância segurar as provas contra ele. Temer caiu, Aécio caiu, Cunha já tinha caído, mas através destes fatos se consolida, cristalina e limpidamente o golpe que todos arquitetaram e implementaram seduzindo muitos homens e mulheres de boa-fé. Hoje se ergue a verdade, e a real narrativa do golpe começa a ser exposta com toda a sua clareza, a de uma quadrilha de corruptos que se articulou para defenestrar do poder uma Presidente que não impediu em nenhum momento as investigações da Polícia Federal e nem tentou interferir em qualquer instância do Poder Judiciário ou do Ministério Público.
Os peixes graúdos envolvidos na conspiração que redundou no golpe tiveram, quase todos eles, contas secretas descobertas em bancos no exterior onde recebiam os recursos derivados de seus atos de corrupção no Brasil, mas Dilma não teve. Toda a quadrilha instalada no poder foi alvo de inúmeras citações nas delações premiadas pelos valores recebidos pessoalmente ou através de terceiros. Agora, resta a pergunta: por qual motivo as mais altas cortes da República não agiram a tempo para salvar o país dos assaltantes do poder? Por qual motivo não agiram a tempo para evitar as gravíssimas consequências da desconstitucionalização dos direitos sociais?
Temer foi flagrado em gravação assim como em seu momento também Sérgio Machado gravara outros articuladores do golpe como Romero Jucá, que naquela oportunidade já dizia com todas as letras da necessidade de ter de tirar a Presidente Dilma do poder, para “estancar a sangria”, para barrar as investigações. Então, a gravação não poderia atingir duramente o grupo de conspiradores, pois ainda era necessário que o golpe desse seus frutos. E assim foi. Agora vem à tona a delação e a gravação feita pelos irmãos Batista e que implica diretamente a Temer. Outra pergunta que se impõe é sobre os motivos de a Rede Globo de Televisão, como de hábito, não veicular o áudio comprometedor de Temer nem de Aécio… Por qual motivo todos os áudios que prejudicavam politicamente Dilma e Lula foram prontamente veiculados e não contra Temer e Aécio? Quem ainda tem dúvidas sobre a resposta?
O perfil de todos os homens que arquitetaram e executaram o golpe já está muito claro, e todos foram caindo, um a um, desde os primeiros meses do governo golpista, e todos por motivos idênticos, apenas com variações. O golpe custou 500 milhões ao alto empresariado brasileiro segundo fontes internas do Congresso Nacional e também confirmadas por artigo do jornalista José Carlos de Assis. A conta foi paga e a entrega do produto precisava ser feita e havia justificada pressa. Assim vieram os ataques viscerais à liquidação dos direitos dos trabalhadores, o ato de rifar os direitos à saúde e educação, o comprometimento do orçamento durante os próximos vinte anos, o ataque ao sistema da Previdência Social, em suma, a desconstitucionalização dos direitos sociais. O governo golpista foi colocado no poder para isto, mas ora finda sem entregar todo o produto, o que se deve, em grande parte, às forças do imponderável.
Os financiadores do golpe tinham pressa em aprovar as suas medidas justamente por saber que o seu fantoche era frágil demais, comprometido demais. A pergunta que a todos ocupa agora é sobre como constituir um novo processo eleitoral. Tantas foram as articulações espúrias realizadas no Congresso Nacional que é chegada a hora de dar uma única resposta positiva à população e que encontrem o caminho legal, pois legítimo é, para que sejam prontamente realizadas eleições diretas para a Presidência da República. A todos que tardam em entender o tom convém recordar que nunca é conveniente enganar o povo e que mesmo o sacrifício dos fatos no altar da hipocrisia é opção que precisa ser realizada com moderação. É tempo de parar de tensionar cordas que já não tem o que mais dar. O povo brasileiro tem encontro já marcado com as ruas para defender o seu direito de escolher o Presidente da República neste gravíssimo momento de nossa história. O povo brasileiro tem encontro marcado com as ruas para defender os fundamentos da democracia contra aqueles que insistam em não querer abrir o processo eleitoral para que o povo decida os seus caminhos. O povo brasileiro não admitirá senão o caminho das urnas e, portanto, apenas uma pode ser a divisa que uma os democratas de todos os campos que aspirem pela pacificação nacional: DIRETAS JÁ!
No dia 17 de maio de 2017 caiu a máscara do conjunto dos homens que ocuparam a cena no Congresso Nacional em deprimente tarde de domingo para apontar o dedo contra um Governo eleito por 54 milhões de votos e concretizar o golpe de Estado contra o povo brasileiro, sabedores dos benefícios que aguardava a cada um deles.

*Prof. Pós-Doutor. Faculdade de Direito. UnB (CT). E-mail: rbueno_@hotmail.com
Versão para impressão Envie para um amigo Deixe seu comentário
Roberto Bueno, por e-mail.

Envie esta notícia para seus amigos

Seu nome:
Seu e-mail:
Enviar para:
envie para vários e-mails separando-os com vírgula

Deixe seu comentário sobre esta notícia

Seu nome:
Seu e-mail:
Escreva seu comentário:
0 caracteres utilizados. Máximo 100 caracteres.

Digite o código contido na imagem ao lado:
Caso não consiga ler o texto da imagem, clique aqui.

Comentários

Nenhum comentário ainda foi registrado.
Seja o primeiro a comentar! Clique aqui ››

Contato

Telefone
(61) 35418388
(61) 93094422