Quarta-feira, 12 de dezembro de 2018.
Notícias ››   Imprensa on-line ››  

Sobre O Globo, a ditadura e aquele candidato fascista.

publicada em 06 de agosto de 2018
Sobre O Globo, a ditadura e aquele candidato fascista.
Por Pedro Fassoni Arruda
Publicado por Diario do Centro do Mundo




​Herança da ditadura (Foto: Reprodução)


POR PEDRO FASSONI ARRUDA, cientista político e professor da PUC-SP

1. A TV Globo foi criada em 1965, um ano depois do golpe que derrubou João Goulart.

2. O fundador e proprietário da TV Globo na época, Roberto Marinho, não era jornalista. Era empresário de mídia. Por favor, não confundam o patrão com o empregado.

3. Como empresário, Roberto Marinho sempre defendeu os interesses da sua classe. Ele herdou o jornal O Globo, criado em 1925, e sempre fez uma feroz oposição a todos os líderes trabalhistas no Brasil: Getúlio Vargas, Juscelino Kubitschek, João Goulart, Leonel Brizola, Miguel Arraes, Lula e Dilma.

4. Em 1964, foram publicados no jornal O Globo diversos editoriais, capas de jornal e reportagens defendendo a derrubada do presidente legítimo e justificando a intervenção militar.

5. A família Marinho apoiou a ditadura do começo ao fim. Foram 21 anos de colaboração com o regime. Como conglomerado de mídia, as Organizações Globo colocaram todos os seus veículos a serviço da ditadura: jornais, revistas, emissoras de televisão, rádio etc.

6. Apenas em 2013 as Organizações Globo divulgaram uma nota reconhecendo que o apoio ao golpe de 1964 foi um “erro editorial”.

7. Precisamos entender que não foi apenas um “erro editorial”. Não se trata de erro simplesmente porque eles agiram de má-fé, sabiam exatamente o que estava acontecendo: PRISÕES ARBITRÁRIAS, CASSAÇÕES DE DIREITOS POLÍTICOS E MANDATOS PARLAMENTARES, CENSURA, PERSEGUIÇÃO, TORTURAS, EXECUÇÕES SUMÁRIAS, OCULTAÇÃO DE CADÁVERES e outras atrocidades.

8. Não basta dizer que houve um “erro”. É preciso PEDIR DESCULPAS às vítimas que foram perseguidas e torturadas, e pedir desculpas aos familiares daqueles que foram brutal e covardemente assassinados. É preciso defender a revisão da lei de anistia, é preciso fazer a reparação histórica e colocar os criminosos no banco dos réus. Os mesmos barões midiáticos que apoiaram os 21 anos de ditadura e só reconheceram que “erraram” quase três décadas depois do restabelecimento da democracia acabaram apoiando um novo golpe dois anos atrás…

9. Bolsonaro e a família Marinho se merecem. São uns lixos que deveriam responder pela apologia à violência que sempre praticaram.
Versão para impressão Envie para um amigo Deixe seu comentário
Por Pedro Fassoni Arruda Publicado por Diario do Centro do Mundo

Envie esta notícia para seus amigos

Seu nome:
Seu e-mail:
Enviar para:
envie para vários e-mails separando-os com vírgula

Deixe seu comentário sobre esta notícia

Seu nome:
Seu e-mail:
Escreva seu comentário:
0 caracteres utilizados. Máximo 100 caracteres.

Digite o código contido na imagem ao lado:
Caso não consiga ler o texto da imagem, clique aqui.

Comentários

Nenhum comentário ainda foi registrado.
Seja o primeiro a comentar! Clique aqui ››

Contato

Telefone
(61) 35418388
(61) 93094422