Segunda-feira, 09 de dezembro de 2019.
Notícias ››   Imprensa on-line ››  

Acuado, presidente do Equador deixa Quito e transfere sede do governo para Guayaquil

publicada em 08 de outubro de 2019
Acuado, presidente do Equador deixa Quito e transfere sede do governo para Guayaquil

Decisão foi tomada no mesmo dia em que mobilização indígena chegou à capital do país para protestar contra o pacote anunciado por Lenín Moreno

REDAÇÃO OPERA MUNDI
São Paulo (Brasil)




O presidente do Equador, Lenín Moreno, acuado por conta das diversas manifestações contra um pacote econômico de traços neoliberais, que incluem o fim de subsídio aos combustíveis, anunciou na noite desta segunda (07/10) que transferiu a sede do governo para Guayaquil, cidade a cerca de 420 quilômetros ao sudoeste de Quito, a capital do país.

“Transladei-me a Guayaquil e transladei a sede do governo da esta querida cidade de acordo com as atribuições constitucionais que me competem”, afirmou, em rede nacional de TV. Junto a ele, estavam o comando militar do país e o vice-presidente Otto Sonnenholzner.

A transferência da sede de governo aconteceu no mesmo dia em que uma mobilização de indígenas chegou à capital. De acordo com o jornal El Comércio, ao menos cinco saídas de Quito estão fechadas por conta das manifestações.



Moreno disse que não irá retroceder nas medidas anunciadas e afirmou que os protestos que paralisaram o país não configuram “uma manifestação de descontentamento”. “Os saques, o vandalismo e a violência demonstram que há uma intenção de romper a ordem democrática”, disse.

O presidente acusou o ex-mandatário Rafael Correa, de quem era vice e com quem rompeu logo após ser eleito, de estar tentando “um golpe de Estado” com apoio da Venezuela. Correa, que mora na Bélgica, chamou o mandatário de “títere” e pediu sua renúncia. “Por favor, Moreno, renuncie! Não faça isso com nossa gente!”, tuitou.

Correa, por sua vez, disse que não é golpista. "Os golpistas têm sido eles, que partiram a Constituição quantas vezes quiseram", disse, em entrevista à emissora RT.


Reprodução
Presidente Lenín Moreno (centro) transferiu sede do governo para Guayaquil
No último dia 2, Moreno anunciou uma série de medidas com a justificativa de “reativar” a economia após um empréstimo do FMI (Fundo Monetário Internacional). Entre as decisões, está o fim dos subsídios aos combustíveis e a redução salarial de empregados públicos temporários.

Após a transferência de Moreno para Guayaquil, segunda maior cidade do país, o ex-prefeito e líder do Partido Social Cristão (PSC), Jaime Nebot, convocou os cidadãos da região a "defenderem a democracia dos atos de vandalismo", em referência aos manifestantes que pedem a renúncia do presidente equatoriano.


Protestos e estado de exceção

Os sindicatos de trabalhadores e o movimento indígena do Equador, junto a outros grupos da sociedade civil organizada, convocaram no último sábado (05/10) uma greve a nível nacional para o próximo dia 9 de outubro e anunciaram um estado de mobilização permanente até que Moreno desista do pacote de arrocho econômico.

As manifestações no Equador começaram logo após o presidente anunciar o fim dos subsídios nos combustíveis, devido ao acordo de US$ 4,2 bilhões firmado em fevereiro com o FMI, que prevê reformas tributárias, trabalhistas e monetárias no país.

Os protestos levaram Moreno a decretar um estado de exceção em todo o país, por 60 dias. Pelo menos 379 pessoas foram presas desde a noite da última quinta (03/10) – dentre os quais, vários líderes dos sindicatos de transporte.

Segundo a polícia equatoriana, já foram presas mais de 470 pessoas, incluindo líderes de movimentos populares e dirigentes sindicais.
Versão para impressão Envie para um amigo Deixe seu comentário
The Intercept

Envie esta notícia para seus amigos

Seu nome:
Seu e-mail:
Enviar para:
envie para vários e-mails separando-os com vírgula

Deixe seu comentário sobre esta notícia

Seu nome:
Seu e-mail:
Escreva seu comentário:
0 caracteres utilizados. Máximo 100 caracteres.

Digite o código contido na imagem ao lado:
Caso não consiga ler o texto da imagem, clique aqui.

Comentários

Nenhum comentário ainda foi registrado.
Seja o primeiro a comentar! Clique aqui ››

Contato

Telefone
(61) 35418388
(61) 93094422