Blog Página 64

Este "blog" pretente abrir un canal de discussão da soberania brasileira em seu amplo contexto de legalidade constitutcional, seus caminhos e alternativas, que a Nação necessita para sua emancipação.

Busca

Autores

Histórico

Artigo: Ocultação da história brasileira

30 de novembro de 2009

OCULTAÇÃO DA HISTÓRIA BRASILEIRA

 

“Tem dias que agente se sente como quem partiu ou morreu, agente estancou de repente ou foi o mundo então que cresceu.” Assim inicia a composição de Chico Buarque na música intitulada Roda Viva. E o mundo realmente dá voltas. Ao compasso do fortalecimento de nossa democracia, conquistada com tanto sacrifício do povo brasileiro, gradativamente, a história se impõe. Crimes cometidos num passado recente ressurgem literalmente das cinzas, como denota a denúncia que o MPF de São Paulo ofereceu contra o Ex-governador Maluf e o Senador Romeu Tuma, entre outros.

A realidade perversa dos tempos de regime ditatorial que acossou nosso país, hoje choca a população brasileira. Segundo a Procuradora de São Paulo, “ambos contribuíram para que ossadas permanecessem sem identificação, em valas comuns dos cemitérios, e atestaram falsos motivos de morte a vítimas de tortura”.         

Enquanto Maluf chama a acusação de “ridícula”, o corregedor do Senado – pela quarta vez, provavelmente ainda não tenha recebido a intimação do MPF de São Paulo sobre o caso. Também não deve ter recebido o ofício remetido pelo MPF do Rio Grande do Sul, no mês de agosto, indagando sobre questões ligadas ao provável assassinato do Presidente Jango, pois até a presente data, não se tem nenhuma resposta do Corregedor do Senado.

Ridículo mesmo é a insistência de muitos personagens principais do regime autoritário, senhores como Tuma e Maluf, em ocultar uma página vergonhosa da história do Brasil. Denunciar estes crimes, e tantos outros ocorridos, não pode ser caracterizado como revanchismo, como muitos saudosistas da ditadura gostam de taxar. Uma interligação do passado ao presente, no tocante à inadmissibilidade de atos de violação de direitos humanos, aponta para a construção de regimes democráticos sólidos e estáveis, fundamentados na justiça e no direito, e jamais no medo e na violência.

Christopher Goulart

Presidente da Associação Memorial João Goulart

postado por Christopher Goulart às 10:40

Comentários

Nenhum comentário foi registrado para este post.
Seja o primeiro a comentar!

Deixe seu comentário

Seu nome:
Seu e-mail:
Escreva seu comentário:
0 caracteres utilizados. Máximo 100 caracteres.

Digite o código contido na imagem ao lado:
Caso não consiga ler o texto da imagem, clique aqui.