Segunda-feira, 16 de setembro de 2019.
Notícias ››   Imprensa on-line ››  

Alhos podem conviver com bugalhos.

publicada em 04 de setembro de 2019
Alhos podem conviver com bugalhos.

*Por Luciano Siqueira

Publicado por Blog de Jamildo em Opinião


Foto: Andréa Rêgo Barros/PCR



Em livro publicado em 1989 — “A fantasia desfeita“ —, Celso Furtado menciona a sua frustração diante da enorme dificuldade em convencer próceres partidários integrantes da coalizão governista a contribuírem na construção de um programa de governo.

O presidente João Goulart lhe solicitara a redação do documento ouvindo a todos, porém a maioria estava muito mais interessada na ocupação imediata de espaços na gestão do que propriamente na discussão dos rumos do país.

A parte se sobrepunha ao todo e o imediatismo prevalecia.

A anotação vem a propósito do desafio de construir uma ampla frente democrática no Brasil dos nossos dias.

Há incompatibilidade entre a existência de pré-candidaturas à presidência da República e os esforços por uma ação conjunta imediata?

Sim e não.

A incompatibilidade existe quando se põem as pré-candidaturas irremediavelmente em primeiro lugar, inibindo esforços conjuntos. Ou seja, quando se coloca o carro adiante dos bois.

Mas uma coisa não é impeditiva da outra, entretanto, se prevalece o bom-senso e se dá azo à agenda comum.

Obviamente que o pleito em dois turnos admite a existência de múltiplas candidaturas, a depender do quadro real da disputa, se taticamente for a melhor alternativa para o acúmulo de forças necessário a uma conjugação potencialmente vitoriosa no segundo turno.

O próprio PC do B, que sustenta com tanto vigor a bandeira da unidade imediata, não descarta uma candidatura à presidência em 2022.

Mas o fato é que a resistência à unidade persiste no campo da oposição.

Repete-se agora uma dificuldade recorrente, sempre presente episódios históricos precedentes.

Nada impede ao PT de Luis Inácio Lula da Silva e Fernando Haddad, nem ao PDT de Ciro Gomes, nem aos demais partidos do campo democrático que construam suas pretensões para 2022 sem prejuízo da convergência na ação imediata em defesa do estado democrático de direito, questão central no momento.

Ou seja, alhos e bugalhos podem conviver lado a lado sem apagar em suas diferenças.



Por Luciano Siqueira (PCdoB), vice-prefeito do Recife 
Versão para impressão Envie para um amigo Deixe seu comentário
Blog de Jamildo em Opinião

Envie esta notícia para seus amigos

Seu nome:
Seu e-mail:
Enviar para:
envie para vários e-mails separando-os com vírgula

Deixe seu comentário sobre esta notícia

Seu nome:
Seu e-mail:
Escreva seu comentário:
0 caracteres utilizados. Máximo 100 caracteres.

Digite o código contido na imagem ao lado:
Caso não consiga ler o texto da imagem, clique aqui.

Comentários

Nenhum comentário ainda foi registrado.
Seja o primeiro a comentar! Clique aqui ››

Contato

Telefone
(61) 35418388
(61) 93094422