Sábado, 06 de junho de 2020.

QUEM É O DEUS DO PRESIDENTE? Dom Silvio Dutra, bispo de Vacaria.

publicada em 28 de abril de 2020
QUEM É O DEUS DO PRESIDENTE?



Por Dom Silvio Guterres Dutra, Bispo da Diocese de Vacaria, RS.

Com chavões do tipo “acredito em Deus”, “Deus abençoe nossa pátria querida”, além do conhecido mote de campanha “Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”, Bolsonaro se dirige frequentemente à nação com discursos que, mesmo recheados de boas e piedosas intenções, são absurdamente equivocados, revelando uma radical ausência de saudável discernimento e de qualquer razoabilidade.

Neste momento da nossa história, mais do que em qualquer outro período, ouvir a ciência e as autoridades competentes é a melhor maneira de viver a genuína fé cristã, fé que não nega a razão, antes dialoga e interage com ela.
Além disso, as falas do presidente são verdadeira apologia ao ódio, à ignorância e ao fanatismo, realidades que não só não encontram nenhum respaldo na experiência cristã, como são rechaçadas como contrárias ao projeto de vida dos filhos de Deus.

Infelizmente, alguns dos chamados “apoiadores” de Bolsonaro têm protagonizado verdadeiras cenas farisaicas de orações públicas, de flagrante falsa veneração às imagens sacras de Nossa Senhora de Fátima e do Jesus da Divina Misericórdia no intento de dar legitimidade aos seus pensamentos. Ao seu tempo, Jesus foi vítima de todas estas coisas desprezíveis defendidas por Bolsonaro e por muitos dos seus discípulos. O que mais o presidente tem feito é disseminar divisão e confusão, tarefas que nunca foram atribuídas ao Deus Único, mas sim ao seu adversário, o “pai da mentira”. Como, de sã consciência, e em nome do Deus de Jesus Cristo, alguém seria capaz de defender o retorno da sanguinária ditadura militar no Brasil?

Num tempo em que os próprios teólogos cristãos são desafiados a repensar a questão de Deus em meio a uma espécie de politeísmo prático que vivemos, creio que eu não seja o único a me perguntar: a que “deus” Bolsonaro se dirige? E embora eu já tenha um pensamento formado sobre a identidade da divindade evocada pelo presidente, por enquanto o que me é mais claro é que não se trata do Deus de Jesus Cristo, o Deus que eu conheci na minha juventude, o Deus do êxodo, o Deus dos profetas, enfim o Deus que convoca para a paz e para a fraternidade, que indica o caminho do diálogo e da compaixão.

Se o “deus” evocado pelo presidente, um “deus” que está sempre a procura de um inimigo para eliminar, fosse o único possível, eu pediria imediatamente para ser acolhido na fileira dos ateus. Cada vez fica mais fácil compreender os ateus e mais difícil compreender os que se dizem cristãos e não cessam de usar o “Nome de Deus em vão”.

Mas nem tudo está perdido. A Boa Notícia é a de que esse “deus”, o do presidente, não é o único. Felizmente temos a liberdade de escolher Outro. Que o Espírito Santo nos dê o discernimento correto neste tempo em que todos deveríamos ter um único foco, o cuidado da vida, no combate ao inimigo comum, o coronavirus!
21/4/2020.
Esse artigo é uma verdadeira bênção. Leia e sinta seu coração se encher ainda mais de paz, amor, alegria...
Versão para impressão Envie para um amigo Deixe seu comentário
Instituto João Goulart

Envie esta notícia para seus amigos

Seu nome:
Seu e-mail:
Enviar para:
envie para vários e-mails separando-os com vírgula

Deixe seu comentário sobre esta notícia

Seu nome:
Seu e-mail:
Escreva seu comentário:
0 caracteres utilizados. Máximo 100 caracteres.

Digite o código contido na imagem ao lado:
Caso não consiga ler o texto da imagem, clique aqui.

Comentários

Nenhum comentário ainda foi registrado.
Seja o primeiro a comentar! Clique aqui ››

Contato

Telefone
(61) 35418388
(61) 93094422