Sexta-feira, 14 de agosto de 2020.
Notícias ››   Imprensa on-line ››  

Sugestão de ato na porta de quartéis exposta em rede social de Bolsonaro alarma militares

publicada em 19 de março de 2020
Sugestão de ato na porta de quartéis exposta em rede social de Bolsonaro alarma militares


FOLHAPRESS

Igor Gielow



SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - As redes sociais bolsonaristas começaram a circular, nesta terça (17), o chamamento para um novo protesto em favor do governo e contra o Congresso e o Supremo Tribunal Federal.

Desta vez, a repetição do ato do domingo (15) seria "na frente dos quartéis", pois "agora é guerra!".

A data? O 31 de março que marca os 56 anos do golpe que instaurou a ditadura de 1964, regime admirado pelo presidente Jair Bolsonaro.

A postagem é apócrifa, e até aqui organizadores do ato de domingo não fizeram nenhuma nova convocação.

Mas o próprio Bolsonaro indicou apoio, a seu estilo. Publicou no Twitter um questionamento feito pela jornalista Vera Magalhães sobre ele autorizar ou não aquele tipo de ato, na qual aparecia a imagem do chamamento.

Ele a destratou sem responder, mas seu objetivo estava consumado: expôs a ideia para todos seus apoiadores.

A convocação caiu como uma bomba dentro de alguns dos quartéis citados no texto.

Os grupos de WhatsApp do alto oficialato das três Forças passaram a discutir a conveniência e o sentido de tal convocação. Oficiais-generais disseram acreditar ser uma provocação barata, visando associar os militares aos polêmicos atos que pedem o fechamento do Congresso e do Supremo.

Isso já havia acontecido antes do protesto do dia 15, quando circularam imagens apócrifas de generais como Augusto Heleno (Segurança Institucional) ao lado de palavras de ordem invocando uma intervenção militar.

Heleno, o estopim do ato do dia 15 por ter dito que o Congresso chantageava o governo na discussão sobre o destino de R$ 30 bilhões do Orçamento, teve de dizer que não tinha emprestado seu nome para pedir apoio a manifestações.

Mais incisivo foi o vice-presidente Hamilton Mourão, outro general de quatro estrelas da reserva, que criticou o uso de sua imagem, embora tenha contemporizado o fato de que Bolsonaro havia divulgado vídeo chamando para o ato --que acabou unindo contra o presidente os líderes do Legislativo e do Judiciário.

Já outros militares acreditam que a postagem se trata de um balão de ensaio para ver se a ideia pega, até ser encampada por alguma instância apoiadora do governo, como o Movimento Conservador.

A intervenção virtual de Bolsonaro no Twitter indica que tudo foi bolado pelo entorno familiar do presidente, hábil nesse tipo de ação.

Neste caso, o problema é ainda maior para os fardados, porque inevitavelmente obrigará a ativa e a ala militar abrigada no governo a se manifestar sobre a ideia. O tema é extremamente sensível, particularmente no Exército, líder do golpe de 1964.

Os militares consideram, via de regra, que o que houve foi uma revolução que impediu que o governo de João Goulart descambasse para o socialismo. Mas a linha geral é a de tentar situar isso como uma etapa histórica e celebrar a volta à democracia --ainda que ela só tenha ocorrido 21 anos depois.

Esse foi o tom da nota do Ministério da Defesa sobre os 55 anos do golpe, a primeira sob Bolsonaro, um entusiasta do regime.

A ideia é deixar 1964 para trás, e associações como a sugerida no panfleto virtual não facilitam a vida dos chefes militares mais moderados. Pior, entre oficiais mais novos e para baixo na cadeia de comando, é conhecido o entusiasmo pela agenda antidemocrática associada a esses bolsonaristas.

Ela se repete nos estratos estaduais, as polícias militares. Elas são subordinadas ao Exército, mas foram moldadas na ditadura e constitucionalmente servem de força auxiliar aos generais em caso de necessidade.

Nelas, a influência do bolsonarismo é forte, como o episódio em que o chefe da Força Nacional confraternizou-se com integrantes do motim da PM cearense no começo do mês.

Essa associação já chama a atenção de políticos. O governador tucano de São Paulo, João Doria, disse ao jornal Folha de S.Paulo na semana passada que via uma tentativa de "miliciamento" das polícias brasileiras por parte do Planalto.

Um general afirmou que, por todo esse clima, o pior que poderia haver agora seria a disputa entre Poderes envolver também as Forças Armadas. Ele torce para que a publicação seja apócrifa, mas admite que o espírito dela já está enraizado nos quadrantes mais radicais que ainda apoiam Bolsonaro.
Versão para impressão Envie para um amigo Deixe seu comentário
Zero Hora

Envie esta notícia para seus amigos

Seu nome:
Seu e-mail:
Enviar para:
envie para vários e-mails separando-os com vírgula

Deixe seu comentário sobre esta notícia

Seu nome:
Seu e-mail:
Escreva seu comentário:
0 caracteres utilizados. Máximo 100 caracteres.

Digite o código contido na imagem ao lado:
Caso não consiga ler o texto da imagem, clique aqui.

Comentários

Nenhum comentário ainda foi registrado.
Seja o primeiro a comentar! Clique aqui ››

Contato

Telefone
(61) 35418388
(61) 93094422