Sábado, 06 de junho de 2020.

*Não, não pode ser normal isso*

publicada em 05 de março de 2020

IPG presidencia <joaovicentegoulart@gmail.com>
ter., 3 de mar. 


*Não, não pode ser normal isso*





"Pedi um sanduiche pelo rappi pra comer com os filhotes nessa sexta feira chuvosa enquanto a gente assiste um filminho e conversa.

O cara da entrega chega, educadissimo e me pede para descer. Achei estranho porque, em regra, eles sobem, né? Falei que sim, claro. Desci.

Chego na portaria e ele parece o meu pai. Está molhado, tira meu lanche da mochila, entrega dizendo "aproveita que tá quentinho. Desculpa não subir, mas é porque uso bicicleta e se roubarem fico sem trabalhar".

Fico olhando pra ele. Ele parece o meu pai. O seu pai. O nosso pai. Mais velho. Um rosto cansado, com um sorriso tímido. Olho pra bicicleta. Olho pra ele. Sorrio de volta. Falo que não tem problema nenhum, pergunto se quer uma água.

Ele parece o meu pai. O seu pai. Ele veio pedalando. Na chuva. Penso no meu pai que está em um hotel fazenda agora tomando um chá quentinho e lendo um livro.

Perguntei se ele queria uma água. Que pedalar cansa.

"Não, obrigado. Só me avalia bem, por favor. É minha primeira semana. Demoraram a me aceitar. Mais velho, né?"

O meu pai. O seu pai. De bicicleta. Na chuva. Entregando lanche.

Já fiz e já vi muito post aqui discutindo a questão do uber, ifood, rappi e da exploração da mão de obra e já li MUITA gente defendendo que tudo bem esses trabalhadores serem explorados pelas grandes empresas porque "pelo menos não estão em casa recebendo bolsa familia".

Eu mesma quase já não conseguia mais pedir qualquer um desses serviços porque cada vez que um entregador chegava eu tinha vontade de morrer...

Subi com o lanche arrasada. Não consegui dizer que a entrega dele foi maravilhosa e nem aumentar a gorjeta pq ele já finalizou a entrega, mas só sei que nem consegui comer o lanche. Tem gosto de lágrima e suor.

Fico pensando por quanto tempo a gente vai continuar normalizando esse tipo de exploração empresa x trabalhador.

Vocês viram o entregador do ifood na cadeira de rodas que trabalhou por 10h e só conseguiu beber uma água para conseguir receber alguma coisa e fazer valer o dia?

Vi o vídeo da nossa AMADA Rita do Tempero Drag onde ela fala assim: "a gente vê que perdeu a nossa humanidade quando olha para o outro passando por uma situação desumana e não se importa mais com ele. Pior. Acredita que ele mereceu estar daquele jeito."

Texto de Flávia Viana.

Via Giselle Moreira
Versão para impressão Envie para um amigo Deixe seu comentário
Do Whatsapp

Envie esta notícia para seus amigos

Seu nome:
Seu e-mail:
Enviar para:
envie para vários e-mails separando-os com vírgula

Deixe seu comentário sobre esta notícia

Seu nome:
Seu e-mail:
Escreva seu comentário:
0 caracteres utilizados. Máximo 100 caracteres.

Digite o código contido na imagem ao lado:
Caso não consiga ler o texto da imagem, clique aqui.

Comentários

Nenhum comentário ainda foi registrado.
Seja o primeiro a comentar! Clique aqui ››

Contato

Telefone
(61) 35418388
(61) 93094422