Segunda-feira, 16 de setembro de 2019.
Notícias ››   Imprensa on-line ››  

ESTADO PARALELO NO DF.

publicada em 04 de setembro de 2019
Milicianos usam armas pesadas para sustentar esquema criminoso de invasão de terras e de venda de drogas em Ceilândia e Sol Nascente. A Polícia Civil e o MPDFT investiga o caso
ESTADO PARALELO NO DF,
Grileiros e Milicianos se unem para manter rentabilidade na venda direta de lotes



|Por Toni Duarte//RADAR-DF

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO) do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios e a Coordenação Especial de Combate à Corrupção, ao Crime Organizado e aos Crimes contra a Administração Pública (CECOR) da Polícia Civil do DF começam a desmontar um esquema de criminosos comandado por grileiros e milicianos que faturam milhões de reais com a venda direta de lotes de terras públicas.
As investigações, que já culminaram com 11 mandados de prisão preventiva e 12 de busca e apreensão da 2ª fase da “Operação Horus” deflagrada nesta terça-feira 03, levaram à Policia Civil e o Ministério Público à uma conclusão: os grileiros invadem as terras, tomam lotes e os milicianos dão apoio com o uso de armas pesadas e garantem o território sob controle da facção.

Os policiais seriam responsáveis, por exemplo, por expulsar posseiros dos terrenos irregulares que interessariam ao grupo.

A integração entre milicianos e grileiros, segundo as investigações, não exclui a atuação da milícia do Sol Nascente em outras áreas da cidade como o apoio também na venda de drogas feita por traficantes.

Os traficantes se sentem livres para vender maconha e cocaína nas comunidades.

A polícia também trabalha com a hipótese do grupo criminoso estar cobrando taxas de segurança aos comerciantes do Sol Nascente, da mesma forma que é feita por milicianos do Rio de Janeiro.

A primeira fase da Operação Horus, deflagrada em maio passado, um grupo de sete PMs, todos sargentos, foi preso por integrar a milícia que opera no Sol Nascente.

No bolo dos algemados estava o 1º sargento João Batista Firmo Ferreira, tio da primeira-dama do Brasil, Michelle Bolsonaro.

O militar reformado é irmão de Maria das Graças, mãe de Michelle. A família da primeira-dama mora na região do Sol Nascente, conhecida como a maior favela do país.

O Ministério Público já havia denunciado os policiais militares por organização criminosa armada. Eles atualmente respondem ao processo na Auditoria Militar.
Versão para impressão Envie para um amigo Deixe seu comentário
https://www.radardf.com.br/

Envie esta notícia para seus amigos

Seu nome:
Seu e-mail:
Enviar para:
envie para vários e-mails separando-os com vírgula

Deixe seu comentário sobre esta notícia

Seu nome:
Seu e-mail:
Escreva seu comentário:
0 caracteres utilizados. Máximo 100 caracteres.

Digite o código contido na imagem ao lado:
Caso não consiga ler o texto da imagem, clique aqui.

Comentários

Nenhum comentário ainda foi registrado.
Seja o primeiro a comentar! Clique aqui ››

Contato

Telefone
(61) 35418388
(61) 93094422