Quinta-feira, 23 de maio de 2019.
Notícias ››   Imprensa on-line ››  

Consciência e negritude.

publicada em 14 de maio de 2019
Consciência e negritude, por Maister F. da Silva
por Maister F. da Silva


O canetaço mais lembrado da história brasileira pôs fim ao regime escravista formal, visto que, diariamente encontramos trabalhadores em regime de servidão forçada ainda hoje e que em sua grande maioria são negros e mulatos.




Por Jornal GGN


por Maister F. da Silva



Dia 13 de maio, Dia da Consciência Negra. O conceito de consciência remete a compreender dialeticamente a evolução dos processos históricos, a buscar entender os aspectos que levaram a consecução de determinados e qual seria o desfecho se tal realidade tivesse outro final. Tal entendimento que é forjado individual e coletivamente nos leva a absorver tais informações e consequentemente a construção de nossa consciência individual e moral.

Portanto para fazer jus a essa data seria necessário ao povo negro e ao conjunto da sociedade brasileira entender que a abolição da escravatura é fruto de esforços coletivos e variadas formas de resistência. Que o canetaço da Princesa Isabel se origina na pressão internacional dos abolicionistas e também do liberalismo econômico em ascensão. O canetaço mais lembrado da história brasileira pôs fim ao regime escravista formal, visto que, diariamente encontramos trabalhadores em regime de servidão forçada ainda hoje e que em sua grande maioria são negros e mulatos.

Poderia aqui discorrer incontáveis exemplos de resistências, lideranças antiescravistas, quilombos, insurreições armadas, alianças entre roceiros e escravos em rebeliões que até foram vitoriosas, a luta de parlamentares antiescravistas (sim, eles sempre existiram, mesmo que você não saiba). No entanto, quero apenas socializar uma obra esplêndida escrita pela socióloga Ângela Alonso, fruto de extensa pesquisa e que reflete como o esforço de vários atores sociais e políticos, especialmente José do Patrocínio, Joaquim Nabuco, Luiz Gama, André Rebouças e Abílio Borges levou a vitória parcial na luta contra o regime escravocrata.

Trata-se do livro “Flores, votos e balas”, Ângela relata com maestria a partir das fontes pesquisadas a longa e difícil luta política, onde os responsáveis precisaram se organizar, multiplicar e combinar táticas que viabilizassem a atuação consonante entre a rua e o Parlamento, aliado a tarefa mais difícil angariar apoio em uma sociedade secular acostumada ao status quo do regime. A década de 1870 foi frenética para o movimento abolicionista, que crescia no parlamento, ocupava as ruas, praças e casas de teatro denunciando as atrocidades sociais e econômicas que o regime vinha impondo a sociedade brasileira no limiar de adentrar ao Séc. XX quando toda a europa já caminhava a passos largos no processo de industrialização. A atrasada burguesia brasileira que vinha apanhando e perdendo espaço para os jovens que ficaram conhecidos como “liberais radicais”, reorganizou-se, impôs mudanças no regime de votação, retomou espaço no parlamento (inclusive Nabuco perdeu a eleição), alterou cadeiras na corte judiciária e recobrou seu espaço. Resultado: o movimento abolicionista amarga um período de aproximadamente 10 anos de baixa.

“Nas ruas FLORES, no parlamento VOTOS e na clandestinidade BALAS”, assim foi a luta pela abolição da escravatura, desde que o primeiro negro pôs os pés em solo brasileiro na condição de cativo, ainda caberia um apêndice – a luta nos tribunais, tarefa desempenhada por Luiz Gama, um dos protagonistas da obra. Joaquim Nabuco e André Rebouças defendiam que junto com a abolição devia haver uma ampla reforma social e política, com reforma agrária que incluísse os novos homens livres e os imigrantes e uma ampla rede de educação para os libertos, entre outras reformas que levariam os dois liberais e monarquistas a hoje serem taxados de comunistas. Foram derrotados pela elite agrária, incrustrada nos espaços deliberativos do estado, executivo, legislativo e judiciário. Rebouças definiu o momento com a seguinte frase, “é mais fácil democratizar um rei ou uma rainha, que um parlamento aristocrático, oligárquico e plutocrático. ”

Finalizando, entendendo que o processo de abolição foi um dos principais embates da luta de classes brasileira, que tal como no período que antecede o golpe de 1964 e o período que antecede ao golpe de 2016, a sociedade ainda reivindica pautas defendidas pelos abolicionistas do Séc. XIX. Que a elite que impôs os termos da abolição utilizando do poder coercitivo e repressor do estado e impedindo as reformas sociais e políticas necessárias para elevar o Brasil ao patamar de um país soberano e incluir o negro à sociedade na condição de cidadão é a mesma que forçou Getúlio Vargas ao suicídio, depôs João Goulart do poder, é contra as cotas para negros nas universidades federais, depôs Dilma Rousseff e prendeu Lula. Então parabéns, você deu um grande passo na construção da consciência negra e brasileira.



Maister F. da Silva

Militante do Movimento dos Pequenos Agricultores e membro do FRONT – Instituto de Estudos Contemporâneos
Versão para impressão Envie para um amigo Deixe seu comentário
GGN

Envie esta notícia para seus amigos

Seu nome:
Seu e-mail:
Enviar para:
envie para vários e-mails separando-os com vírgula

Deixe seu comentário sobre esta notícia

Seu nome:
Seu e-mail:
Escreva seu comentário:
0 caracteres utilizados. Máximo 100 caracteres.

Digite o código contido na imagem ao lado:
Caso não consiga ler o texto da imagem, clique aqui.

Comentários

Nenhum comentário ainda foi registrado.
Seja o primeiro a comentar! Clique aqui ››

Contato

Telefone
(61) 35418388
(61) 93094422