Quinta-feira, 23 de maio de 2019.
Notícias ››   Imprensa on-line ››  

Villas Bôas e demais generais estão sendo punidos por trair a democracia.

publicada em 12 de maio de 2019
Villas Bôas e demais generais estão sendo punidos por trair a democracia.

Por Carlos Fernandes








Ex-comandante do Exército, general Eduardo Villas Boas. Foto: Agência Brasil


Não existe espaço numa sociedade minimamente civilizada que permita conceber o tipo de crítica desqualificada à base de xingamentos e palavras de baixo calão utilizados comumente pelo astrólogo Olavo de Carvalho.

No caso específico dos seus recentes ataques ao general Eduardo Villas Bôas, a coisa torna-se ainda mais desprezível porque descamba para a sua doença física degenerativa o que demonstra não só a falha moral do autoproclamado filósofo da Virgínia, mas, sobretudo, a sua peculiar inclinação para a crueldade.

Não são poucos nem irrelevantes os motivos que levam qualquer cidadão razoavelmente conhecedor do papel das FFAA numa nação, a lançar críticas e repreensões às posturas e atitudes do ex-Comandante no passado recente.

Mas o fato de uma terrível doença o aprisionar numa cadeira de rodas e limitar suas funções motoras, com certeza não é um deles.


Quem se predispõe a um papel como esse revela-se à margem da dignidade humana e, como tal, incapaz de sentir a dor e o sofrimento alheio.

Dito isto, chega a ser didática a forma como bolsonaristas e olavetes estão tratando aqueles que até pouco tempo atrás eram tidos por eles próprios como a reserva moral do governo e exemplo inquestionável de competência e lisura na administração pública.

Um a um, os generais aquartelados no governo vão sentindo na pele a fúria daqueles que jamais tiveram um mínimo de apreço pela democracia, pela lei e pela ordem.

Vítima de suas próprias escolhas, o alto comando das Forças Armadas do país vai descobrindo que a opção por ultrapassar as suas prerrogativas constitucionais para ameaçar e chantagear poderes independentes da República se mostraram um terrível erro.


E mais do que todos, foi o general Eduardo Villas Bôas que teve o papel preponderante para que a peça central da disputa política de 2018 se mantivesse presa, isolada e incomunicável.

O recado claro que emitiu à Suprema Corte desse país horas antes do julgamento que poderia dar a liberdade ao ex-presidente Lula, representou não somente uma violação grave de suas funções, mas, principalmente, a sua vontade incontinente de retornar a um Estado controlado não pelo povo, mas por militares.

Porém, o que Villas Bôas e a imensa maioria dos generais não puderam perceber é que a empreitada que se permitiram trilhar não os levava a um regime gerido por patentes.

No Brasil de Bolsonaro, mais letal do que suas armas é a ignorância ideológica que trouxeram a reboque a impedir a razão, o saber e a liberdade.

Por isso mesmo, excluindo-se obviamente os ataques à sua triste doença que luta com força e dignidade, toda humilhação pela qual o general Eduardo Villas Bôas está passando, inclusive vindas da parte do próprio Bolsonaro, são educativamente merecidas.

Esse talvez seja o preço que esteja pagando por trair o seu país.


Versão para impressão Envie para um amigo Deixe seu comentário
Diario do Centro do Mundo, DCM

Envie esta notícia para seus amigos

Seu nome:
Seu e-mail:
Enviar para:
envie para vários e-mails separando-os com vírgula

Deixe seu comentário sobre esta notícia

Seu nome:
Seu e-mail:
Escreva seu comentário:
0 caracteres utilizados. Máximo 100 caracteres.

Digite o código contido na imagem ao lado:
Caso não consiga ler o texto da imagem, clique aqui.

Comentários

Nenhum comentário ainda foi registrado.
Seja o primeiro a comentar! Clique aqui ››

Contato

Telefone
(61) 35418388
(61) 93094422