Terça-feira, 20 de agosto de 2019.
Notícias ››   Imprensa on-line ››  

Bala de borracha contra STF vira tiro de canhão no pé.

publicada em 17 de abril de 2019
Bala de borracha contra STF vira tiro de canhão no pé.

. Por Helena Chagas
Publicado por Pedro Pligher 




Toffoli
Originalmente publicado em Os Divergentes:

O Supremo Tribunal Federal já é, até por missão constitucional, senhor de vida e morte de qualquer inquérito, operação ou ação judicial – desde que respeitados os trâmites e etapas legais que levem os fatos à sua apreciação. Preferiu, porém, assisitir quase calado a boa parte dos excessos e abusos apontados nos últimos dois anos contra a ação da Lava Jato e assemelhadas pelo país. Como colegiado, raras vezes teve coragem de ir contra a maioria da opinião pública e interferir em prisões, operações na madrugada, etc. Agora, porém, que tem seus integrantes no alvo, parece querer uma operação Lava Jato para chamar de sua.

Causou estranhamento, inclusive interno, a rapidez e impetuosidade da condução do inquérito aberto para apurar ameaças e publicação de fake news contra membros do STF. Defensor de garantias como a liberdade de expressão e de imprensa, o Supremo, por decisão do relator do inquérito, ministro Alexandre de Moraes, mandou censurar dois sites. Foi uma jogada de efeito duvidoso. A matéria censurada, que se referia ao presidente da Corte, Dias Toffoli, como “o amigo do amigo de meu pai” – expressão usada num e-mail do empreiteiro Marcelo Odebrecht sobre tratativas em torno das obras das hidrelétricas do Rio Madeira – não trazia uma só prova ou elemento relacionando o atual ministro a atos de corrupção. Na ocasião, Toffoli era o chefe da AGU, que obrigatoriamente tinha que dar pareceres sobre a obra.

Não há, no material censurado, um vestígio sequer de pagamento de propina ou favores. Ou seja, a tendência era de que a quase-denúncia caísse no esquecimento dentro de algumas semanas, tal como ocorreu com capa da mesma revista sobre depósitos em suas contas bancárias sem maiores provas de irregularidades. Só que não.


A decisão de Moraes deu ao disparo de uma bala de borracha a força de um tiro de canhão. No pé. Graças ao noticiário que, justificadamente, dá destaque a atos de censura, o Brasil inteiro agora já sabe quem é “o amigo do amigo de meu pai” – embora isso possa vir a ter importância zero na ordem geral das coisas.

Hoje pela manhã, Moraes desencadeou operações de busca e apreensão em residências de quem postou ofensas ao STF nas redes. É claro que quem ameaça a mais alta Corte do país e defende seu fechamento – assim como quem ameaça qualquer um – deve ser responsabilizado e punido. Mas não em procedimentos que escapem à rotina das investigações contra o cidadão comum, como este, em diligências determinadas de ofício por um ministro do próprio Supremo, sem pedido do Ministério Público.

Com sua Lava Jato particular, o Supremo está mostrando que todos são iguais perante a lei, mas que alguns são mais iguais…
Versão para impressão Envie para um amigo Deixe seu comentário
DCM

Envie esta notícia para seus amigos

Seu nome:
Seu e-mail:
Enviar para:
envie para vários e-mails separando-os com vírgula

Deixe seu comentário sobre esta notícia

Seu nome:
Seu e-mail:
Escreva seu comentário:
0 caracteres utilizados. Máximo 100 caracteres.

Digite o código contido na imagem ao lado:
Caso não consiga ler o texto da imagem, clique aqui.

Comentários

Nenhum comentário ainda foi registrado.
Seja o primeiro a comentar! Clique aqui ››

Contato

Telefone
(61) 35418388
(61) 93094422