Domingo, 17 de fevereiro de 2019.
Notícias ››   Imprensa on-line ››  

Milícias fragilizam Bolsonaro e fortalecem Congresso/Mourão

publicada em 09 de fevereiro de 2019
Milícias fragilizam Bolsonaro e fortalecem Congresso/Mourão
Pedro Ladeira/Folhapress






Impeachment no horizonte
Não está sendo seguido o script natural em que o governo inicia forte e desfrutando de grande prestígio e o Congresso se rende a essa força, dando sempre um tempo para a afirmação do novo poder, até iniciar o seu desgaste, se não corresponder às expectativas; o governo Bolsonaro, depois do Caso Queiróz, está baleado pela sua aproximação com as milícias; o presidente foi ativo defensor delas enquanto deputado e seu filho se envolveu perigosamente com os milicianos.

Configura-se relação família Bolsonaro-milícias com estado sem lei; essencialmente, milícias, por ser estado ilegal, paralelo, confronta-se com o estado legal, institucional; inaceitável.

As aproximações dos Bolsonaros com os milicianos, diante dos quais assumiram compromissos, que lançam dúvidas para todos os lados, colocam o Congresso mais forte que o Executivo, cercado de desconfianças, que lançam institucionalmente o Estado contra ele.

Como instituição, o Congresso, por ser expressão do Estado legal, é incompatível com o estado ilegal, paralelo, miliciano.

A decisão do ministro Marco Aurélio de não aceitar o foro privilegiado do, agora, senador Flávio Bolsonaro, do PSL, empossado, hoje, é água gelada no futuro político imediato do parlamentar bolsonarista; seja qual for o presidente do Congresso, haverá, no Senado e na Câmara, iniciativas políticas antibolsonarianas; certamente, elas desgastarão fortemente o novo senador carioca, amigo dos milicianos, aos quais condecorou, enquanto deputado estadual, no Rio de Janeiro.

Cacife parlamentar em ascensão
As afinidades eletivas entre Bolsonaros e milícias são assunto que pega mal no Congresso; crescerá lá iniciativas para abrir CPI contra elas; os congressistas passam a dispor de um cacife poderoso diante do presidente sintonizado com os milicianos.

As investigações do estado ilegal miliciano, próximo da família Bolsonaro, tornam o presidente da República, totalmente, prisioneiro do Legislativo; nesse contexto, a força do titular do Planalto para passar reformas, especialmente, da Previdência, sofre considerável desgaste.

Os congressistas ganham poder relativo em relação ao governo Bolsonaro e ao seu guru econômico, Paulo Guedes, predisposto a radicalizar privatizações, inclusive, sem licitações, como já está acontecendo relativamente à Eletrobras e Petrobras no ambiente das cadeias produtivas.

O cacife dos congressista relativamente ao debate das reformas aumenta quanto mais se enfraquece politicamente o poder bolsonarista, acusado de proximidade com governo paralelo.

O debate sobre impeachment, nesse contexto, pode prosperar, e quem sai ganhando com ele é o vice presidente general Mourão; colocando-se como poder moderador, ele já chama atenção para si, como o equilíbrio para governança; ele é representação do estado legal; as milícias, o oposto, o estado paralelo, ilegal.

A institucionalidade republicana não engolirá o estado paralelo como fator de sua própria sobrevivência política; nesse cenário, ficará complicada a posição dos militares como avalistas de um governo que tem raízes no poder miliciano.
Versão para impressão Envie para um amigo Deixe seu comentário
Folhapress

Envie esta notícia para seus amigos

Seu nome:
Seu e-mail:
Enviar para:
envie para vários e-mails separando-os com vírgula

Deixe seu comentário sobre esta notícia

Seu nome:
Seu e-mail:
Escreva seu comentário:
0 caracteres utilizados. Máximo 100 caracteres.

Digite o código contido na imagem ao lado:
Caso não consiga ler o texto da imagem, clique aqui.

Comentários

Nenhum comentário ainda foi registrado.
Seja o primeiro a comentar! Clique aqui ››

Contato

Telefone
(61) 35418388
(61) 93094422