Sábado, 19 de janeiro de 2019.
Notícias ››   Imprensa on-line ››  

Governo recua do edital da ignorância e diz que não foi “proposital”

publicada em 10 de janeiro de 2019
Governo recua do edital da ignorância e diz que não foi “proposital”
Por Hora do Povo Publicado 





Ricardo Vélez Rodríguez, ministro da Educação de Bolsonaro
O ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, na tarde de quarta-feira, anunciou que o governo resolveu “tornar sem efeito” as novas regras para os livros didáticos, publicadas no dia 2 de janeiro – entre elas, acabar com a exigência de que os textos não contenham além de 10% de erros gráficos ou ortográficos, acabar com a exigência de que os livros tenham bibliografia, e, também, acabar com a exigência de que as ilustrações dos livros didáticos retratem a diversidade étnica e cultural do país.

Além disso, ficava liberada a propaganda comercial nos livros didáticos.

As novas regras foram baixadas, através de edital, logo após a posse de Vélez Rodríguez no Ministério da Educação (MEC).

Porém, como sempre acontece com o atual governo, ele jamais recua de nada – as coisas é que não aconteceram e jamais existiram. Desde a oferta do território nacional para uma base militar norte-americana até as modificações nos impostos, anunciadas pelo próprio Bolsonaro, passando pela extinção de repartições no ministério da mulher que subiu na goiabeira.

Portanto, disse o ministro da Educação, o governo Bolsonaro jamais lançou o edital que apareceu no dia dois.

O que houve, disse ele, foram “erros detectados no documento”.

No entanto, a nota de Vélez Rodríguez afirmou:

“O MEC reitera o compromisso com a educação de forma igualitária para toda a população brasileira e desmente qualquer informação de que o Governo Bolsonaro ou o ministro Ricardo Vélez decidiram retirar trechos que tratavam sobre correção de erros nas publicações, violência contra a mulher, publicidade e quilombolas de forma proposital.”

Então, agora sabemos que não foi de “forma proposital” – apesar de todo mundo saber que essa é, exatamente, a política defendida por Bolsonaro e Vélez Rodriguez.

E nem queira saber, leitor, como é possível fazer isso de forma não proposital. O governo também não sabe, porque não foi nada disso que aconteceu. O que houve, como nos outros recuos que não foram recuos, foi o popular “se colar, colou”. Ou: se ninguém protestar, emplacamos uma.

É essa a forma de governar de Bolsonaro – já que sua posição real é tão estúpida, tão sem ligação com o país, que ele não consegue fazer nada, ou quase nada, se alguém estiver prestando atenção.

Indagado sobre como essas coisas foram parar no edital de forma não proposital, Vélez Rodríguez culpou o governo Temer.

Essa é outra constante do atual governo: quando a situação aperta, sobra para Temer. Com aquela folha corrida, acham os bolsonaristas, sempre é possível acrescentar mais um item.
Versão para impressão Envie para um amigo Deixe seu comentário
Hora do Povo

Envie esta notícia para seus amigos

Seu nome:
Seu e-mail:
Enviar para:
envie para vários e-mails separando-os com vírgula

Deixe seu comentário sobre esta notícia

Seu nome:
Seu e-mail:
Escreva seu comentário:
0 caracteres utilizados. Máximo 100 caracteres.

Digite o código contido na imagem ao lado:
Caso não consiga ler o texto da imagem, clique aqui.

Comentários

Nenhum comentário ainda foi registrado.
Seja o primeiro a comentar! Clique aqui ››

Contato

Telefone
(61) 35418388
(61) 93094422