Quarta-feira, 12 de dezembro de 2018.
Notícias ››   Imprensa on-line ››  

Candidatos defendem fim do congelamento de gastos na Saúde

publicada em 31 de julho de 2018
Candidatos defendem fim do congelamento de gastos na Saúde
Por Hora do Povo


C
andidatos do PPL, João Goulart Filho, e do PSOL, Guilherme Boulos, durante debate com presidenciáveis no Congresso da Abrasco


Entre os dias 24 e 29, foi realizado o 12º Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), na Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) e na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro.

O evento reuniu mais de 8000 pessoas, entre pesquisadores, professores, estudantes, gestores, profissionais de saúde, conselheiros de saúde, movimentos sociais e membros da comunidade. A critica aos repetidos cortes na verba da saúde, a Emenda Constitucional 95, que permite congelar o orçamento do governo federal pelos próximos 20 anos, a defesa do Sistema Único de Saúde e o projeto de lei que desregula do uso de agrotóxicos no país (PL do Veneno), foram os principais temas do “Abrascão”.

Em uma de suas mesas de debate a entidade convidou os candidatos à Presidência da República nas eleições de 2018 para ouvir suas propostas sobre a Saúde.


Abraço dos participantes do evento na sede da Fundação Oswaldo Cruz

Estiveram presentes os candidatos João Goulart Filho (PPL) e Guilherme Boulos (PSOL), que formaram a mesa junto à representante de Manuela D’Ávila (PCdoB), Jandira Feghali. Já o PT, que mantém a candidatura de Lula (que atualmente cumpre pena na carceragem da PF em Curitiba), foi representado pelo seu ex-ministro Alexandre Padilha.

Os candidatos e representantes se posicionaram contra a Emenda Constitucional 95/2016, criada por Temer, que congelou investimentos em saúde até 2036. Segundo a Comissão Intersetorial de Orçamento e Finanças (Cofin), do Conselho Nacional de Saúde (CNS), a emenda vai gerar um prejuízo estimado em R$ 400 bilhões na Saúde.

O candidato João Goulart Filho destacou que sua primeira medida ao assumir a Presidência será a revogação da EC 95. “A primeira medida que devemos tomar, é rever a emenda constitucional 95/2016, que congelou os gastos públicos primários, incluindo os gastos com a saúde por 20 anos”.

Ele ressaltou que a saída para reversão do subfinanciamento crônico do SUS também passa pela “redução dos juros cobrados no nosso país, que frequentemente estão no topo do ranking mundial […] nós dizemos que o principal gasto público do país é que tem que ser congelado, não é o gasto social, não são os investimentos, é o gasto com o pagamento da dívida pública. Além disso, para melhorar o financiamento da saúde pública deve-se suspender a desvinculação receitas da união, a DRU, que retira 30% de recurso da seguridade social para o pagamento de juros”.

Para João Goulart, o país esta cada vez mais distante de cumprir a Constituição de 88, que define a saúde como um direito de todos e um dever do estado. Ele destacou que o Brasil gasta cerca de 9% de seu PIB em saúde, mas “apenas 45% são gastos públicos, e ainda dentro do SUS os planos de saúde contraem uma divida bilionária que anualmente tem sido perdoada ou subsidiada pelo congresso e pelo governo federal”. Em contraponto afirmou que “no Reino Unido os gastos com saúde correspondem a 10% do PIB, só que desse gasto 80% são gastos públicos. Aqui os 30% de brasileiros que usam os planos de saúdes privados tem a sua disposição mais recursos do SUS do que os 70% dos brasileiros que dependem do SUS. O atual modelo de saúde brasileiro é um modelo misto, comercial e público, com predomínio do setor lucrativo, isso restringe o acesso à saúde de boa qualidade para aqueles que têm recursos”.

O candidato do PSOL, Guilherme Boulos, afirmou que “nós não podemos aceitar a visão vendida todos os dias pela mídia de que o problema do SUS é de modelo, de que o modelo é falido. É essa visão que leva a propostas vergonhosas como os planos populares da saúde”.

Ele também defendeu que “o nosso compromisso tem que ser a revogação da emenda 95”, além do combate da privatização da saúde no país, valorizando a gestão direta “para tirar OSs [Organizações de Saúde]”.

O candidato rechaçou o assassinato da vereadora carioca, Marielle Franco (PSOL). “A democracia é ferida quando o debate é substituído por balas”, afirmou.

Jandira se posicionou contra a potencialização de planos privados de saúde, propostas pelo governo Temer. Ela lembrou de avanços após a Constituição de 1988 e defendeu que a “prioridade é a taxação das grandes fortunas e um referendo revogatório da EC 95”.
Versão para impressão Envie para um amigo Deixe seu comentário
Hora do Povo

Envie esta notícia para seus amigos

Seu nome:
Seu e-mail:
Enviar para:
envie para vários e-mails separando-os com vírgula

Deixe seu comentário sobre esta notícia

Seu nome:
Seu e-mail:
Escreva seu comentário:
0 caracteres utilizados. Máximo 100 caracteres.

Digite o código contido na imagem ao lado:
Caso não consiga ler o texto da imagem, clique aqui.

Comentários

Nenhum comentário ainda foi registrado.
Seja o primeiro a comentar! Clique aqui ››

Contato

Telefone
(61) 35418388
(61) 93094422