Segunda-feira, 18 de dezembro de 2017.
Notícias ››   Imprensa on-line ››  

Em sessão temática, senadores e ex-senadores defendem Estado soberano e social

publicada em 03 de dezembro de 2017
Em sessão temática, senadores e ex-senadores defendem Estado soberano e social


Da Redação


 
‹Ex-senadores Ideli Salvatti e José Nery (de pé) com os senadores Roberto Requião e Paulo Paim


Marcos Oliveira/Agência Senado›

Ex-senadores Ideli Salvatti e José Nery (de pé) com os senadores Roberto Requião e Paulo Paim
Sessão temática debateu a soberania nacional, as medidas liberais do governo e a importância de um Estado voltado para questões sociais
O senador Roberto Requião (C) solicitou a realização da sessão temática e presidiu os trabalhos
Saturnino Braga, ex-senador pelo Rio de Janeiro, foi o primeiro a discursar na sessão temática. Saturnino defendeu um projeto de desenvolvimento social e criticou a elite do país, que para ele encampa os interesses do sistema financeiro
Saiba mais

Senadores e ex-senadores discutem o Estado social e soberano

O Senado promoveu na tarde desta quinta-feira (30) uma sessão temática para debater a soberania nacional, as medidas liberais do governo Michel Temer e a importância de um Estado voltado para questões sociais. Senadores e ex-senadores se revezaram na tribuna para passar suas impressões sobre os temas da audiência.

A sessão foi requerida pelo senador Roberto Requião (PMDB-PR), presidente da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Soberania Nacional. A sessão teve base numa sugestão da ex-senadora Ideli Salvatti. Requião, que dirigiu o debate, afirmou que o Estado social brasileiro hoje está sob evidente ameaça por conta da atuação de um governo que abraçou o liberalismo – que ele definiu como “uma espécie de zumbi que está agonizando na Europa e pediu asilo no Brasil”. Para o senador, as recentes medidas implantadas pelo governo, como reformas e planos de privatização, atentam contra Constituição Cidadã e contra o Estado de bem-estar social.

Requião discursou sobre políticas liberais ao redor do mundo e suas influências no Brasil. Segundo o senador, essa prática liberal está levando o Brasil a retrocessos – que comprometem a soberania nacional e os direitos trabalhistas. Requião afirmou, no entanto, que os brasileiros não vão aceitar esses retrocessos, quando perceberem as consequências do congelamento de gastos e da reforma nas leis do trabalho.

- Estamos numa situação extremamente delicada. Lamento dizer que espero muito pouco deste Congresso Nacional, dominado pelo fisiologismo, que só mudaria por uma grande manifestação do povo. Se o povo se levantar, com consciência, o Congresso pode mudar um pouco – afirmou Requião, que ainda pediu a adesão do povo à greve geral do próximo dia 5.

Desmonte do Estado

De acordo com o senador Jorge Viana (PT-AC), o país vive um momento de desmonte do Estado. Ele lamentou o silêncio das ruas e da sociedade civil "em uma hora tão perigosa para a integridade do estado brasileiro”. Já Ideli Salvatti disse que a soberania nacional significa não temer a luta pelos direitos do povo. Ela agradeceu a iniciativa de Requião e fez questão de destacar que cada ex-senador participante da audiência arcou com os custos do transporte. Para a ex-senadora, o Brasil precisa de lideranças comprometidas com o país e com os direitos dos mais pobres.

- O Brasil em todas as condições de oferecer dignidade a seu povo – defendeu.

Soberania

Na visão da ex-senadora Emília Fernandes, soberania nacional é defender os interesses do povo. Ela disse que a crise do capitalismo mundial aumenta a situação já difícil do trabalhador e reforça a concentração de renda. Segundo a ex-senadora, as políticas liberais hoje colaboram com a xenofobia e com o individualismo, com a exclusão de temas progressistas nos parlamentos. O Brasil, acrescentou a senadora, tornou-se uma vítima inevitável desse tipo de ideologia.

Emília fez uma defesa dos governos Lula (2003-2010) e Dilma (2011-2016), elogiando o crescimento econômico, os investimentos sociais e a política externa do período. De acordo com a senadora, o Brasil viveu naqueles governos uma época de grande respeito internacional e de fortalecimento do estado nacional, com políticas de distribuição de renda e valorização dos serviços sociais. Ela ainda lamentou as medidas do governo Temer, que estariam prejudicando a camada mais pobre da sociedade, defendeu a presença feminina na política e pediu a mobilização social em favor dos interesses do povo.

- Precisamos ir ao encontro dos anseios do povo. O Estado tem que ser o condutor do desenvolvimento econômico e social de qualquer país – afirmou Emília.

A ex-senadora Fátima Cleide classificou o impeachment como “golpe” e o governo de Michel Temer como “ilegítimo”. Ela lamentou os planos de privatização e o congelamento de gastos por 20 anos – medidas que militariam contra a soberania nacional e contra os interesses populares. Fátima pediu que temas como soberania e democracia sejam debatidos nos parlamentos, escolas, sindicatos e igrejas e criticou temas como fascismo e intolerância – que estariam em pauta na sociedade hoje em dia.

Impeachment

Para o ex-senador José Nery, o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff abriu o caminho para políticas liberais que terminam por comprometer os direitos da classe trabalhadora. Ele criticou as reformas trabalhista e previdenciária, que seriam benéficas apenas para o mercado, mas muito prejudiciais para o povo. Nery ainda lamentou a medida provisória que que concede isenção de impostos para petrolíferas estrangeiras (MP 795/2017) e defendeu a ampliação da reforma agrária.

- Nós precisamos recuperar a esperança. Não podemos achar que tudo acabou. Não há saída para a crise sem a participação de cada um de nós – disse Nery.

O ex-senador Saturnino Braga apontou que, historicamente, todas vezes que o Brasil tentou implantar um projeto de desenvolvimento social ocorreram intervenções influenciadas pelo interesse estrangeiro. As interrupções dos governos de Getúlio Vargas, João Goulart e Dilma Rousseff seriam, segundo Saturnino, exemplos dessas intervenções. Ele ainda criticou setores da mídia e do Judiciário que, em sua visão, não atuaram de forma correta durante o impeachment de Dilma.

- Eu achava que nunca mais iria presenciar um golpe no Brasil. Fomos desconstitucionalizados com uma intervenção golpista – declarou.

Os senadores Paulo Paim (PT-RS) e Regina Sousa (PT-PI) e os ex-senadores Ana Júlia Carepa, João Pedro, Maguito Vilela e Donizeti Nogueira também participaram do debate. Os ex-senadores Renato Casagrande, Inácio Arruda, Benedita da Silva, Eduardo Suplicy, Aloizio Mercadante e José Paulo Bisol enviaram vídeos com mensagens de apoio à temática da sessão – que foi encerrada com um trecho do discurso de despedida de Pedro Simon no Senado.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)
Versão para impressão Envie para um amigo Deixe seu comentário
Agencia Senado

Envie esta notícia para seus amigos

Seu nome:
Seu e-mail:
Enviar para:
envie para vários e-mails separando-os com vírgula

Deixe seu comentário sobre esta notícia

Seu nome:
Seu e-mail:
Escreva seu comentário:
0 caracteres utilizados. Máximo 100 caracteres.

Digite o código contido na imagem ao lado:
Caso não consiga ler o texto da imagem, clique aqui.

Comentários

Nenhum comentário ainda foi registrado.
Seja o primeiro a comentar! Clique aqui ››

Contato

Telefone
(61) 35418388
(61) 93094422