Quarta-feira, 22 de novembro de 2017.
Notícias ››   Imprensa on-line ››  

Quase 200 anos depois, Brasil retrocede ao posto de "dependente" das grandes potências

publicada em 09 de setembro de 2017
Quase 200 anos depois, Brasil retrocede ao posto de "dependente" das grandes potências
Especialistas analisam reposicionamento após mudanças do governo nas políticas interna e externa


Jornal do Brasil
Rebeca Letieri


"Para o meu sangue, minha honra, meu Deus, eu juro dar ao Brasil a liberdade. Independência ou morte!", gritou o príncipe Pedro, em 7 de setembro de 1822, às margens do riacho Ipiranga, atual cidade de São Paulo. O “Grito do Ipiranga”, como ficou conhecido, deu o título de imperador a Pedro I, e o país passou a se reconhecer como Império do Brasil, não mais como colônia de Portugal. Cento e noventa e cinco anos depois, analistas apontam que o país parece estar dando passos atrás, e perdendo seus status de "independência" sobretudo no cenário internacional. "Estamos no momento em que o Brasil se reposiciona historicamente como dependente das grandes potências mundiais”, avalia a cientista política Clarisse Gurgel, da Unirio.

A historiadora Mary del Piore lembra que a monarquia de Portugal só reconheceu a independência do Brasil em 1825, três anos depois do grito de Dom Pedro. “O Brasil ainda teve que pagar para ser independente. Ou seja, ele começa independente endividado, como está hoje”, acrescentou Mary, concluindo: “Tudo isso mostra que são conquistas de longo prazo e que precisam ser sedimentadas, não é um fato que determina a história”.

Mary explica que a democracia criou grupos diversos, o que revela uma independência repartida, e uma elite que sempre agiu em interesse próprio.

“As necessidades das províncias eram muito específicas na época. O norte tinha comércio direto com a Europa, e portanto estava reticente em apoiar essa emancipação. Já o sudeste tinha riqueza, e queria, então, se ver livre dos impostos de Portugal”, explicou Mary, finalizando: “É importante lembrar que os grupos liberais nunca pensaram no fim da escravidão. Eles queriam atender os direitos deles, assim como hoje”.






Ontem e hoje - Em 1822, Dom Pedro dava o grito de independência à margem do Ipiranga. Hoje, 195 anos depois, reformas do governo geram protestos e, segundo especialistas, fazem o país retroceder e voltar a um status de "dependência" internacional
Ontem e hoje - Em 1822, Dom Pedro dava o grito de independência à margem do Ipiranga. Hoje, 195 anos depois, reformas do governo geram protestos e, segundo especialistas, fazem o país retroceder e voltar a um status de "dependência" internacional
195 anos depois

Clarisse Gurgel destaca que hoje, o Brasil de Michel Temer (PMDB) engendrou uma dependência da iniciativa privada, na qual o trabalhador brasileiro é a ponta explorada, imprimida por uma lógica que não encoraja as pessoas a sonhar.

“Depender de alguma coisa ou alguém dialoga com a necessidade. Vivemos em um momento de urgência: a necessidade mais imediata é a de ter comida no estômago. E isso impede a emancipação. É possível pensar em um mundo em que a necessidade esteja em outro plano, em um contexto de fome? Quando você está com fome, você consegue sonhar?”, questiona a cientista política.

Como ela, o também cientista político Carlos Eduardo Martins, da UFRJ, ataca o desmonte das políticas de ciência e tecnologia, impedindo a ampliação da educação. “A redução no número de alunos no ensino superior é um fato. Não é possível haver independência sem acesso da nossa população a uma educação de qualidade”, acrescenta.

Em dezembro do ano passado, o Congresso aprovou a PEC do Teto de Gastos, que limita os investimentos públicos do governo pelos próximos 20 anos. Desde o início da discussão da Emenda, a oposição criticou a medida afirmando que a limitação vai retirar recursos das áreas sociais, principalmente da saúde e da educação.

Neste ano, as dificuldades enfrentadas por órgãos públicos, principalmente nas áreas de educação, saúde e segurança, estão relacionadas ao corte de verbas motivado pela queda de arrecadação do governo federal, de estados e municípios. Só em ciência e tecnologia, o corte é de 44% do orçamento do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicação (MCTIC).

O presidente da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), Emmanuel Tourinho, afirma que os valores de custeio previstos para este ano para as universidades não são suficientes nem mesmo para as despesas regulares com energia, vigilância, limpeza, bolsas para os alunos de baixa renda e serviços de manutenção das instalações.

“Não será possível manter as instituições funcionando adequadamente se esse quadro não for rapidamente alterado. Os valores liberados até agora só garantem o funcionamento das instituições até setembro”, completa.

Avanço ou retrocesso?

Entretanto, na página do Planalto, na última segunda-feira (4), uma propaganda do governo federal dizia: “O Brasil está voltando a crescer. Comemorar a independência é celebrar a volta do nosso crescimento”. Contudo, os especialistas apontam para um retrocesso do país, que, segundo eles, está sendo entregue às mãos dos grandes monopólios internacionais.

“O governo Temer realiza uma política de destruição das nossas cadeias produtivas, e optou por uma política de recessão estrutural por 20 anos, para manter o país em altas taxas de desemprego, porque isso é fundamental para desorganizar o movimento social”, diz Carlos, lembrando por que é difícil falar em mobilizações quando a necessidade primária é a sobrevivência.

A sutil queda na taxa de desemprego no segundo trimestre desse ano, encerrado em julho, já mostrou que o dado divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) está longe de ser positivo na severa crise econômica do país. O fato de a redução do percentual ter sido impulsionada pela elevação da taxa de informalidade (mais de 468 mil pessoas sem carteira assinada, crescimento de 4,6% em relação ao trimestre anterior) confirma muito mais a precarização e a falta de perspectivas no trabalho formal do que uma luz no fim do túnel.

“Ao mesmo tempo, é um governo que entrega os nossos recursos estratégicos, como exemplo do petróleo e gás, que está sendo leiloado. E dessa forma, desarticula a empresa que controla o pré-sal. Ou seja, é um governo que está desnacionalizando o controle nacional de sua produção, e desmontando o regime de partilha, em favor de um regime de concessão”, completa Carlos.

A “medida corajosa” classificada por Michel Temer ao anunciar 57 projetos de concessão e privatização de empresas públicas brasileiras mostrou que a administração atual tem pressa em se livrar das estatais para ajudar a diminuir a dívida do país. Se concluído, é o maior projeto desde o Governo Fernando Henrique Cardoso (1995-2003), responsável pela maior onda de desestatização do país.

Na lista está a Casa da Moeda, 14 aeroportos, onze blocos de linhas de transmissão de energia elétrica, 15 terminais portuários, rodovias, Companhias Docas do Espírito Santo, Casemg e CeasaMinas, além de parte da Eletrobras, que tinha sido anunciada antes. Com a iniciativa, o governo espera arrecadar, a partir deste ano, cerca de R$ 44 bilhões ao longo dos anos de vigência dos contratos.

Dentro dessa polêmica, o governo federal chegou a anunciar a extinção da Reserva Nacional de Cobre e seus Associados (Renca), entre o Amapá e o Pará, gerando comoção e movimentação entre artistas brasileiros, principalmente nas redes sociais. Após forte repercussão, inclusive internacional, voltou atrás.

“É um governo que está entregando o nosso país”, comenta Carlos. O cientista político cita alguns presidentes da história do país, como o governo Jango (João Goulart, 1961-1964) e os governos Getúlio Vargas (1930–1945), como exemplos de quando “o Brasil buscou aumentar sua autonomia”. “Vargas, através da construção da indústria siderúrgica, e da campanha ‘o petróleo é nosso’, e o Jango através das reformas de base e dos limites para remessas de lucros ocupadas por multinacionais”, acrescenta.

Para o especialista, desde que o neoliberalismo assumiu a posição de protagonismo no país, ficou claro o posicionamento do Brasil em nível internacional, com um abandono do Brics (Brasil, Rússia, índia, China e África do Sul), e o isolamento da Venezuela, com a aproximação e a priorização de uma aliança com o pacífico, via integração neoliberal.

Clarisse fez coro ao cientista político: “As grandes potências não estavam muitos felizes com a inserção do Brasil no Brics. O governo Lula teve uma inclinação com outros países que vão romper com o bloco histórico de hegemonia. Então esse foi um movimento que imprimiu certa independência ao país”, explica Gurgel, finalizando:

“O interessante é ver essas dimensões de dependência. E lembrar que o grito dos excluídos é uma manifestação junto ao desfile militar que acontece no dia 7 de setembro, e é o nosso novo grito de independência”.
Versão para impressão Envie para um amigo Deixe seu comentário
Jornal do Brasil

Envie esta notícia para seus amigos

Seu nome:
Seu e-mail:
Enviar para:
envie para vários e-mails separando-os com vírgula

Deixe seu comentário sobre esta notícia

Seu nome:
Seu e-mail:
Escreva seu comentário:
0 caracteres utilizados. Máximo 100 caracteres.

Digite o código contido na imagem ao lado:
Caso não consiga ler o texto da imagem, clique aqui.

Comentários

Nenhum comentário ainda foi registrado.
Seja o primeiro a comentar! Clique aqui ››

Contato

Telefone
(61) 35418388
(61) 93094422