Segunda-feira, 22 de maio de 2017.

ATESTADO DE FALTA DE ESCRÚPULOS. Francisco Costa

publicada em 06 de fevereiro de 2017

ATESTADO DE FALTA DE ESCRÚPULOS

Acabei de ouvir a gravação completa do telefonema gravado por Moro, com a conversa entre Dona Marisa e um dos filhos, o Fábio (Lulinha) que, pelo que tem demonstrado será o herdeiro político do pai.
Dona Marisa ligou para o Fábio a pedido do Lula, que queria desabafar (“seu pai está aqui possesso, xingando todo mundo”).
Antes de passar o telefone, Dona Marisa iniciou uma conversa, reclamando dos coxinhas que há horas estavam batendo panelas sob as suas janelas.
O filho a tranqüilizou: “calma, mãe, nós vamos reverter isso”, referindo-se à perseguição que a família está sofrendo.
Dona Marisa insistiu no assunto, afirmando que os “coxinhas”(sic) não eram de São Bernardo, mas vindo de outras localidades, acrescentando que “o povo de São Bernardo é ordeiro, trabalhador”.
Em outro trecho: “nem a favela se manifestou, é esse pessoal do condomínio novo, que não tem como comprar um apartamento de 500 mil, compra um de 15 mil...”, referindo-se à ingratidão dos beneficiários do Minha Casa Minha Vida.
O filho de Lula, para a mãe: “calma, mulher. Eles têm o direito democrático, constitucional, de bater panelas, deixa eles baterem”, e se seguiu o motivo do vazamento da conversa.
Dona Marisa se acalma um pouco e comenta rindo “ninguém é daqui, nem teu pai é daqui”, referindo-se à origem nordestina de Lula, e dá umas boas risadas. Lula chega, e ela: “fala com teu pai, filho”.
E eu pergunto: o que esse diálogo tem a ver com Lava Jato, Petrobras, Odebrecht, delação premiada, corrupção? Nada!
Tanto a lei que regula a quebra de sigilo telefônico quanto a lei da magistratura são muito específicas e incisivas: nada havendo na gravação que a ligue às investigações, esta deve ser imediatamente apagada, não se prestando a nenhum uso.
Mas Moro entregou a gravação à Globo, que a editou, tirando os elogios ao povo de São Bernardo, a lição de democracia, do Fábio, e a reclamação da ingratidão dos beneficiários do Minha Casa Minha Vida, pondo no ar apenas o motivo da doação da fita.
E que motivo foi esse?
Em determinado momento, muito irritada, ela perguntou ao filho: “porque não enfiam a panela no cu?”
Divulgando a fita, ao invés de apagá-la, como determina a lei que Moro nunca respeitou, com a conivência, complacência e cumplicidade do STF,
ele e a Globo tentaram denegrir a imagem de Dona Marisa, desconstruir a sua imagem de mulher calma, simples, ponderada.
É incrível como um juiz rebaixa-se a nível de fofoqueira de beira de calçada, de Maricota desocupada na esquina, falando da vida alheia, para despindo-se da toga, apesar de se valer dela, agir de maneira tão vulgar, tão infame, tão vil.
É este o ídolo de um bando de alienados manipulados pela Globo, é este que a mídia finge levar a sério, usando-o, é este que corremos o risco de ver ministro no STF, é este o retrato dos tempos sombrios que vivemos, entre medíocres e ladrões, com quase todos reunindo os dois adjetivos.
Os escrúpulos de Moro, ou a ausência de, o faz ir do fascista que expede mandados de condução coercitiva, não antecedidas de citação, à fofoquinhas de Maria Lavadeira.
Emblemático, e triste.


Francisco Costa
Rio, 03/02/2017.

Versão para impressão Envie para um amigo Deixe seu comentário
IPG, e-mail

Envie esta notícia para seus amigos

Seu nome:
Seu e-mail:
Enviar para:
envie para vários e-mails separando-os com vírgula

Deixe seu comentário sobre esta notícia

Seu nome:
Seu e-mail:
Escreva seu comentário:
0 caracteres utilizados. Máximo 100 caracteres.

Digite o código contido na imagem ao lado:
Caso não consiga ler o texto da imagem, clique aqui.

Comentários

Nenhum comentário ainda foi registrado.
Seja o primeiro a comentar! Clique aqui ››

Contato

Telefone
(61) 35418388
(61) 93094422