Blog Página 64

Este "blog" pretente abrir un canal de discussão da soberania brasileira em seu amplo contexto de legalidade constitutcional, seus caminhos e alternativas, que a Nação necessita para sua emancipação.

Busca

Autores

Histórico

Resltados De Elecciones internas en Uruguay

30 de junho de 2009

Escrutinio primario

A caballo de los caudillos locales

Escrutinio primario. Partido Nacional 46,1%, Frente Amplio 41,1%, Partido Colorado 11,9% | Reñida disputa por el dominio del FA departamental

 

El Partido Nacional votando cinco puntos por encima del Frente Amplio, la victoria de Lacalle sobre Larrañaga por menos de 70.000 votos, y la hegemonía de Bordaberry en el Partido Colorado fueron los principales resultados de las internas.

Escrutado el 99,8% de los circuitos en todo el país, el Partido Nacional recibió 467.639 votos (46,1%), el Frente Amplio 417.563 (41,1%) y el Partido Colorado 120.973 (11,9%).

En el Partido Nacional, Luis Alberto Lacalle resultó electo candidato único a la Presidencial con el 58,6%, en tanto Jorge Larrañaga recibió el 43,9%.

En el Frente Amplio, José Mujica obtuvo el 53,8%, Danilo Astori el 41% y Marcos Carámbula el 8,5%.

En el Partido Colorado, Pedro Bordaberry recibió 74,9%, José Amorín 15,3% y Luis Hierro López 12,3%.

Hasta aquí los tres partidos que tenían internas.

blancos. Lacalle le ganó a Larrañaga en 14 de los 19 departamentos. El líder de Unidad Nacional triunfó en Artigas, Cerro Largo, Colonia, Durazno, Flores, Florida, Lavalleja, Maldonado, Montevideo, Rivera, Rocha, San José, Tacuarembó y Treinta y Tres. En tanto el senador de Alianza Nacional lo hizo en Canelones, Paysandú, Río Negro, Salto y Soriano.

El nuevo mapa político del Partido Nacional muestra a Lacalle fuerte en el Norte, Centro y Este del país, en tanto Larrañaga tiene sus principales baluartes en el Litoral.

En algunos departamentos la diferencia fue muy ajustada (en Artigas con poco más de 500 votos a favor de Lacalle) y en otros fueron derrotas aplastantes para uno y otro. Larrañaga le ganó cinco a uno a Lacalle en Paysandú, pero perdió por más de tres a uno en Florida y San José.

En la mayoría de los casos la diferencia respondió a la fuerte influencia de los caudillos locales. En Paysandú, donde fue dos veces intendente (1990-1995 y 1995-2000), Larrañaga jugó de locatario. En Salto ganó a caballo de la lista 192 del diputado Rodrigo Goñi; en Río Negro por la lista 58 del intendente Omar Lafluf (se llevó el 51,4% de los votos del Partido Nacional); en Soriano por la lista 1903 del intendente Guillermo Besozzi (49,1% de los votos blancos); y en Canelones gracias al abanico de listas que abrió el diputado Alberto Perdomo, pese a que la más votada en este departamento fue la lista 400 de Unidad Nacional (25,7%).

Las victorias de Lacalle, en tanto, fueron claras en San José, donde la lista 4 (17,5%) del intendente Juan Chiruchi fue la más votada de Unidad Nacional, aunque perdió a nivel local con la lista 2004 (22,8%) del senador Carlos Camy de Alianza Nacional. Algo similar pasó en Cerro Largo: la lista 117 (19,8%) del intendente Ambrosio Barreiro que apoyó a Lacalle fue la más votada de Unidad Nacional, pero superada por la lista 2004 (20,1%) del diputado Sergio Botana que apoyó a Larrañaga. En Durazno Lacalle ganó a impulso de la lista 41000 (45,2%) del intendente Carmelo Vidalín. En Florida la diferencia fue de tres a uno a favor de Lacalle, gracias a las alianzas de la lista 62 del diputado Carlos Enciso, aunque la lista a nivel local más votada fue la 51 (18,4%) de Juan Arocena que apoyó a Larrañaga.

En Maldonado fue otro departamento donde Lacalle se impuso con comodidad. Allí la lista 23 del senador Enrique Antía fue la más votada (17,8%), que superó a la principal apuesta de Larrañaga en el departamento: la lista 22000 del diputado Federico Casaretto.

A nivel de Alianza Nacional, sorprendió el triunfo de Lacalle en Tacuarembó. La lista 71 del ex intendente y ex senador Sergio Chiesa fue la más votada (23,46%), superando a la lista 500 (17,6%) del también ex intendente y actual senador Eber Da Rosa.

En Montevideo, el triunfo de Lacalle vino de la mano de la lista 71 (27,27%) que lideran los senadores Luis Alberto Heber y Gustavo Penadés, en tanto Larrañaga tuvo su punta de lanza en la lista 2004250 del senador Sergio Abreu y el diputado Jorge Gandini.

Frente. En la coalición de izquierda el predominio de la lista 609 del MPP fue absoluto en todos los departamentos. En Montevideo, donde el Frente Amplio concentra más de la mitad de su electorado, la lista 609 que encabezó la senadora Lucía Topolansky (esposa de Mujica), obtuvo el 30,7% de los votos de la coalición de izquierda. En un lejano segundo lugar quedó la lista 2121, la oficial de Danilo Astori con el 18,7% de los votos.

El resto de las listas frenteamplistas salieron muy rezagadas: la 90 del Partido Socialista 12,1%, la 7373 de la CAP-L del senador Eleuterio Fernández Huidobro 10,1% y la 99000 del Nuevo Espacio de Rafael Michelini 6,3%. La histórica lista 1001 del Democracia Avanzada (Partido Comunista) y la 77 de la Vertiente Artiguista apenas superaron el 4%. El resto de los grupos frenteamplistas registraron una votación casi testimonial.

Colorados. Las listas de Pedro Bordaberry, cómodo ganador de la interna del Partido Colorado, ganó en 18 de los 19 departamentos. Sólo perdió en Rivera, donde se impuso el forista Luis Hierro López a upa del intendente Tabaré Viera, aunque por escasa diferencia: unos 380 votos. La lista 2000 de Viera obtuvo el 47% de los votos colorados en Rivera, superando incluso la mejor performance de las listas de Hierro y José Amorín en Montevideo.

El otro departamento donde Bordaberry debió dar dura pelea fue en Artigas, tradicional baluarte del Partido Colorado. En Artigas el que puso en peligro el triunfo de Bordaberry fue Amorín, que a través de la lista 1530115 del ex diputado y ex intendente Carlos Signorelli (procesado con prisión por un delito de abuso de funciones), obtuvo apenas 122 votos menos que las listas del líder de Vamos Uruguay.

En Canelones esta vez no se cumplió la máxima

En las internas del domingo no se cumplió la tradición electoral de que quién gana en Canelones gana en el resto del país. No fue así en el Partido Nacional, donde las listas de Alianza Nacional de Jorge Larrañaga superaron a las de Unidad Nacional de Luis Alberto Lacalle.

Escrutado el 98,63% de los circuitos, Larrañaga obtuvo 35.025 votos y Lacalle 32.720.

Sin embargo, la lista del Partido Nacional más votada individualmente fue la 400 del diputado Luis Lacalle Pou (17.196 votos, 25,74%). Le siguió muy de cerca la lista 2010 del diputado Alberto Perdomo de Alianza Nacional (16.136 votos, 24,16%). La tercera lista blanca más votada en Canelones fue la 505 del diputado Daniel Peña de Alianza Nacional, 8.725 votos (13,06%).

Esta buena performance de las listas blancas, hizo que el Partido Nacional votara mejor que el Frente Amplio en Canelones, esta vez sí siguiendo la tendencia en todo el país: 46,7% el Partido Nacional, 43,07% el Frente Amplio.

La votación por la precandidatura del intendente Marcos Carámbula fue particularmente baja con respecto a sus otros dos competidores en la interna de la izquierda. Carámbula recibió 7.338 votos, contra 20.501 de Danilo Astori y 33.480 de José Mujica.

En el Partido Colorado, la lista que mejor votó fue la 1010 de Vamos Uruguay de Pedro Bordaberry, seguida por la lista 2005 del Foro Batllista que apoyó la precandidatura de Luis Hierro López.

Principales listas en Montevideo

La lista más votada en Montevideo fue la 609 del MPP, que obtuvo 67.143 votos, seguida por la lista 2121 de Asamblea Uruguay (41.017 votos) y la 71 de Unidad Nacional (35.962).

Antía y Cardoso, airosos en Maldonado

En Maldonado la votación del domingo 28 confirmó el liderazgo en el Partido Nacional del senador Enrique Antía, no pudo zanjar la dura interna en el Frente Amplio entre el intendente Óscar de los Santos y el diputado Darío Pérez, y disparó el optimismo en el Partido Colorado.

Las agrupaciones que responden a Antía se hicieron de la cantidad suficiente de votos para dominar la convención departamental, lo que le permitirá digitar las mayorías necesarias para nominar a los dos restantes candidatos municipales que presentará el Partido Nacional en las elecciones de mayo próximo.

En el Frente Amplio si bien el diputado Darío Pérez cantó victoria ayer de mañana al conocerse que su lista 1813 fue la más votada, el juego de alianzas y la acumulación por el mismo sublema de las agrupaciones que responden al intendente De los Santos, hacen presagiar una reñida disputa por el liderazgo de la izquierda en Maldonado. Las diferencias en la izquierda comenzarán a saldarse de un lado para otro si el presidenciable José Mujica ordena encolumnar a todas las listas que lo apoyaron detrás de Pérez.

En el Partido Colorado, el diputado Germán Cardoso, otrora delfín político del ex senador forista Wilson Sanabria, surgió como la nueva figura del coloradismo. De la mano de Pedro Bordaberry sus listas obtuvieron la mayoría absoluta del partido.

 

El País Digital
postado por Marcos Goulart às 23:28

Artigo: O Congresso pede Socorro

30 de junho de 2009
 

CONGRESSO NACIONAL PEDE SOCORRO

 

 

 

A degradação ética e moral que assola o Congresso Nacional não é novidade há muito tempo, e, lamentavelmente, falarmos hoje em corrupção é tão natural como respirar. Tantos belos argumentos de ilustres parlamentares que se preocupam em honrar a classe política, tantos pareceres bem intencionados apontando soluções para esta crise que envolve gestores do patrimônio público, tanta indignação popular representada pela opinião pública. E tudo continua tristemente igual. Deputados se lixando para a opinião pública, outros realizando nomeações secretas de parentes, e outros tantos envolvidos até o pescoço com negociatas que roubam à população brasileira, desvios de verbas públicas, tráfico de influência, colarinho branco. Pobre Democracia brasileira, que após todo o sacrifício e sangue de patriotas que lutaram arduamente para consolidar este regime de liberdades, é agora representada por usurpadores do povo.

Falar que a corrupção ostensiva é uma realidade que impera em nossos Parlamentos já não surpreende ninguém. Não apenas no Parlamento, obviamente. A degradação de valores morais é um mal que impera nas diversas instituições e sociedade civil como um todo, mas todo cidadão que se postula a um cargo público deve saber a exata dimensão do que significa representar a uma população tão cansada de ser roubada desde sempre. O Congresso Nacional pede socorro, mas pede a quem se o seu Presidente declara publicamente que a crise não é dele? O fato é que a democracia é lesada duramente com estes maus exemplos, e não há como o chamado “cidadão comum” – aquele que não rouba - que acompanha estes escândalos rotineiros à distância, não ficar repugnado com tantos desvios de conduta.

Mordomos, e as mordomias comprometem a imagem do Congresso Nacional, mas pior do que esta situação de calamidade restará configurada se daqui a pouco aparecer algum lunático lembrando-se da Ditadura Militar, que mandou fechar o Congresso após o Ato Institucional n° 5, com a desculpa esfarrapada de que o país estava no caminho da desordem e do caos. Portanto, a saída só pode ser a consciência Nacional de que só a retomada de uma proposta reformista em todas as estruturas sociais, políticas e econômicas, poderá libertar a nação de tantos escândalos e decepções.        

 

A inserção das reivindicações populares no processo de desenvolvimento do país, a classe média mobilizada em prol de valores maiores que não os essencialmente particulares, as elites motivadas pelo progresso do Brasil no rumo de uma grande nação de primeiro mundo, todos unidos, independente dos interesses adversos a serem confrontados na contramão da Soberania Nacional. Porque não sonhar com um pacto de unidade nacional em prol de um objetivo reformista em comum? É hora do país se libertar de mentalidades corruptas que lesam a pátria!     

 Não cabe mais discutirmos a limpeza da lixeira do Senado, que tem apoio de Corregedor ex-delegado do DOPS. Muito menos contratos suspeitos de superfaturamento, caixa dois, nomeações secretas, mensalões e mensalinhos. Muito mais produtivo do que nossa resignação perante esta realidade corrupta será a nossa indignação para concretizar de vez as reformas estruturais fundamentais para o Brasil. 

 

 

 Christopher Goulart

Advogado, neto de Jango.

postado por Christopher Goulart às 14:56

Solidariedade a Honduras e seu povo

29 de junho de 2009

 

Hoje,  um golpe a serviço das elites coloniais oligárquicas foi consumado em Honduras, em Nossa América.

Hoje, um presidente eleito constitucionalmente por seu povo, foi destituído de suas funções pelas Forças Armadas daquele País.

Hoje, homens e mulheres estarão sendo  presos sem saber o porquê.

Hoje, muitas famílias hondurenhas deverão estar com muito medo.

Hoje, uma sombra passa por cada um dos lares de Nossa América Latina.

Hoje, cada um de nós deverá ser elemento multiplicador de inconformidade com o que acontece em Honduras.

Hoje, os povos latino-americanos deverão se unir, fazer uma rede de comunicação e pressão diante de seus governos para não permitirem , em nome do que foram eleitos, qualquer demonstração de simpatia ou omissão criminosa diante dos  Órgãos Internacionais em relação ao País irmão, Honduras.

Hoje não nos cabe a inocência de acreditar que este é um golpe contra um processo de consulta ilegal. Todos os movimentos golpistas se travestem de um discurso de legalidade ilegítima.

Tampouco podemos acreditar ingenuamente numa total isenção norte-americana, mesmo com Obama contrário ao golpe. Havemos de refletir sobre nossas democracias e sua natureza.

Hoje não devemos esquecer que no ano passado, à mesma época em que se comemorava no Chile e no resto do mundo o Centenário de nascimento do Presidente Allende, se processava na Bolívia um golpe contra o Presidente Evo Morales. O povo boliviano foi às ruas defender o que era seu. Os governantes da América Latina deram seu apoio imediato à Bolívia e mediaram acordos com a reação daquele País.Neste sentido, a ação dos Estados Latino-Americanos aliados ao movimento popular organizado, foi determinante para a vitória anti-golpista.

No momento nos cabe total solidariedade ao povo hondurenho e seu Presidente, Zelaya.

Devemos exercer essa solidariedade para além da formalização em  nossas consciências , para além de lermos uma "moção de apoio diante de um Cristo preso na cruz".

Façamos o que nos for possível fazer.

 

postado por Maísa Paranhos. às 01:08

O olhar sobre Cachoeira

26 de junho de 2009

  Artigo publicado no jornal A Tarde, Salvador, BA,em 23/06/2009                                           

 

É impossível  subir até a Cruz de São Félix, olhar em direção ao rio Paraguaçu, para o outro lado de sua margem, sem conter a respiração diante de tanta beleza que emana da paisagem da cidade .

Monumento Histórico Nacional,  Cachoeira, no Recôncavo Baiano,  jogou um papel importante na luta pela independência da Bahia.

Contam os antigos, que as mulheres atravessaram o rio a nado, com punhal entre os dentes para a expulsão do português colonizador. Daí a denominação de “Cachoeira, a Heróica”. 

Quem a mira, terá seus sentidos atingidos. Sente-se uma saudade de não sei o quê, uma sensação de pertencimento, uma intimidade que só seria possível com o nosso passado atávico, talvez. Nela, nos reconhecemos.

Hoje, é portadora de uma rica vida cultural, tendo sido escolhida para abarcar a UFRB, Universidade Federal do Recôncavo Baiano.

Aonde chegamos, chegam as mudanças necessárias para a própria garantia dos nossos agrupamentos humanos. E assim, acreditamos, os espaços são modificados em função do homem.

Tal vem ocorrendo em Cachoeira, possuidora de um calendário muito extenso em festividades e manifestações culturais, destacando-se a festa da Boa Morte e o São João. Os festejos trazem admiradores e futuros moradores, e conseqüentes investimentos e empreendimentos.

A própria Universidade aportou um contingente populacional maior para o espaço urbano, e é claro que este se modificará.

A questão é justamente esta: de que forma este espaço, que é  Monumento Histórico, portanto Patrimônio Público, vem sofrendo essas modificações? Cachoeira vem sendo tratada com a delicadeza e a importância necessárias?

Sendo uma das maiores expressões da arquitetura colonial portuguesa em nosso País exige um  trato peculiar.

Por ser uma cidade dona de um acervo cultural imenso, com seus museus e vasta produção artística, necessita de uma administração que dê conta de suas especificidades.

É com tristeza que observamos um desenho urbano se modificando nas encostas dos morros e  nas margens dos rios sem o devido planejamento.

É com melancolia que vemos seus artistas produzindo em espaços precários enquanto ocorrem construções desordenadas ao longo de seus riachos.

É com indignação mesmo que vemos pouca, ou quase nenhuma, participação popular nas decisões que são ali tomadas para o “engrandecimento” cultural da cidade.

Preservar um Monumento Histórico é criar condições para a sua valorização, inclusive turística, e não transformá-lo em objeto de vitrine, cercada de uma população excluída da preservação daquilo que ela própria constitui.

Monumento Histórico é coisa viva. O seu sentido é dado no presente por quem o cerca e lhe dá sustentação material e simbólica.

Desta forma, Cachoeira está merecendo, com certeza, um olhar mais apurado e efetivo.

  

     

 

 

postado por Maísa Paranhos. às 23:34

A amputação dos direitos direitos trabalhistas está a caminho. Só Lupi não viu.

26 de junho de 2009
A amputação dos direitos trabalhistas está a caminho. Só Lupi não viu

De como Lula e sua máquina "biafraram" o PDT e similares(VII)


"Uma das formas de reduzir a informalidade no trabalho é o estímulo à contratação formal dos trabalhadores por meio da desoneração RADICAL da folha de salários".
Ministro Roberto Mangabeira Unger, autor da "Reforma Trabalhista" por encomenda de Lula,  em palestra no TST, dia 16 de setembro de 2009.

Homem de Daniel Dantas, de quem recebia polpuda remuneração como procurador nos EUA dos seus interesses, o enigmático mangabeira Unger elaborou a proposta de  desoneração da folha de pagamento sem ouvir um só palpite do ministro do Trabalho.

No final da tarde da quarta-feira, 8 de abril de 2009, o tempo úmido e as nuvens carregadas deixavam os líderes da meia dúzia de centrais sindicais acabrunhados, mas dispostos a espernear perante o presidente da República, que os recebeu com a irreverência de sempre na hora da Ave Maria.
Contritos, os quase sempre arrogantes senhores do sistema sindical estavam em Palácio para deixar o dito pelo não dito. Metidos a ladinos, não contavam a astúcia do enigmático professor Roberto Mangabeira Unger, hoje o bamba da corte, que obteve deles, à revelia do Ministério do Trabalho, os subsídios e os sentimentos auscultados para seu projeto de reforma trabalhista, que desonera a folha de pagamento, livrando os empresários até da contribuição patronal ao INSS vinculada aos salários.
A pequena romaria, dessa vez, tinha no séquito o ministro Carlos Roberto Lupi, o último a saber daquilo que o gênio americanizado chamou de "desoneração radical" e de "reconstrução das relações trabalho/capital".
"Reforma trabalhista" de costas para o Ministério do Trabalho
Na verdade, desde que virou a casaca sem trocar a gravata clara, o professor vitalício da Universidade de Harvard, que teve Obama como aluno, passou a ter mais poderes do que qualquer outro ministro, quanto mais o do PDT, tratado a trancos e pescoções verbais pelo príncipe operário.
Dourar a pílula na amputação dos direitos trabalhistas não foi difícil para ele, tão competente que prestou serviços muito bem remunerados ao banqueiro Daniel Dantas, na condição de "trustee" (procurador, numa tradução aproximada)da Brasil Telecon entre 2006 e 2007, ano em que foi feito ministro de Assuntos Estratégicos e já chegou derrubando a senadora Marina Silva da pasta do Meio Ambiente, que chefiava desde o primeiro governo Lula.
Quando ainda no segundo semestre de em 2007 Mangabeira Unger recebeu a incumbência de elaborar um projeto palatável de revisão drástica da CLT o ministro Carlos Roberto Lupi foi informado, com a indicação de que ficasse fora das tratativas e manifestasse total apoio ao que se concluísse, como aconteceu no primeiro de maio de 2008, dois dia depois de conhecer o seu texto, publicado na íntegra pelo jornal
VALOR ECONÔMICO, sob o título
"Diretrizes a respeito da reconstrução das relações entre o trabalho e o capital no Brasil".
"A questão da desoneração é muito positiva porque, em tese, ela traz automaticamente a geração de emprego" - declarou Carlos Lupi na festa da Força Sindical, mas cuidou de acrescentar uma ressalva que não agradou à corte: "mas tem de estar muito amarrada, senão você faz a desoneração fiscal e ninguém quer gerar emprego".
Sabendo que uma das idéias cristalizadas na proposta era substituir a contribuição patronal ao INSS calculada pelo salário por um imposto estimado sobre o faturamento, Lupi, que em nenhum momento questionou seu alijamento das discussões, ainda quis deixar uma ponderação, que se perdeu nas ondas da mídia: "há uma preocupação porque a Previdência já tem muitos problemas. Nós não podemos agravar a situação da Previdência".
Revisão radical da CLT, o último suspiro do PDT
Sua declaração se deu quando a imprensa insistia que ele teria favorecido o PDT e a Força Sindical no repasse de verbas do FAT, fato que ele desmentiu com números, ao demonstrar que as prefeituras mais beneficiadas eram ironicamente do PSDB.
Qualquer um sabe que há relação entre os acontecimentos. Naquele momento da declaração, Lupi estava acuado, mas uma vez.
Para o PDT será o último suspiro oferecer sua chancela a qualquer mudança que desfigure a CLT, cujo teor abrangente já tem respostas para as variáveis alegadas pelos que querem reduzi-la à peça de museu.
Mas as centrais sindicais deram corda ao projeto do ministro Mangabeira Unger e só refizeram o discurso pela mudança radical também na estrutura sindical, com a qual a negociação principiaria na empresa, através da figura "agente sindical", que representaria todos os segmentos no mesmo local de trabalho.
No dia 3 de julho de 2008, o presidente da República recebeu em Palácio os ministros Mangabeira Unger, Luiz Dulci (Secretário Geral da Presidência) e Luiz Marinho (Previdência) juntamente com os cabeças da meia dúzia de centrais sindicais.
Lula empolgado com a "reforma trabalhista".
No dia seguinte, a imprensa noticiou: depois de uma reunião que durou quase três horas, na noite de quinta-feira, com a participação dos dirigentes de seis centrais sindicais, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ministro extraordinário de Assuntos Estratégicos, Roberto Mangabeira Unger, bateram o martelo numa agenda mínima para promover "mudanças radicais" nas relações entre capital e trabalho no Brasil.
O jornal Valor Econômico observou: a partir do diagnóstico de que o regime trabalhista criado nos anos 40 do século passado por Getúlio Vargas, embora tenha trazido avanços à sua época, tornou-se obsoleto ao deixar a maioria dos trabalhadores fora de sua proteção, Mangabeira e sua equipe vêm debatendo o tema há oito meses com as centrais, sindicatos patronais e grandes empresários. O objetivo é encontrar pontos de convergência e, a partir daí, formular propostas e enviá-las ao Congresso até o fim deste ano.
O ministro, que é professor licenciado da Universidade de Harvard, diz que a economia brasileira corre o risco de ficar presa entre economias de trabalho barato e aqueles de tecnologia e produtividade elevadas. O risco é agravado pelo fato de economias de trabalho barato, como a China, estarem se transformando, em alguns setores, em economias de alta produtividade. O interesse do país, sustenta Mangabeira, é valorizar o trabalho e o aumento da produtividade.
"O regime trabalhista, criado por Vargas e instituído pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), é um obstáculo a esses dois objetivos".
No final da matéria, o jornal destacou que "na reunião de quinta-feira passada, o mais empolgado com os avanços contidos nas propostas era o presidente Lula".
Culpando a CLT pelo trabalho informal, o velho truque para justificar a amputação dos direitos
Dia 16 de setembro de 2008, Mangabeira apresentou suas propostas aos ministros do Tribunal Superior do Trabalho. E, para justificar a redução drástica das obrigações trabalhistas, disse que a maioria dos trabalhadores vive na informalidade devido às exigências de garantias impostas às empresas pela CLT.
Entre outras conquistas sociais que, em nome do governo, Mangabeira Unger considera anacrônicas está o salário mínimo: "não bastam políticas que procuram influenciar o salário nominal, como sobretudo a política do salário mínimo. Tais políticas têm eficácia restrita. São facilmente anuladas por inflação quando não barradas por política monetária comprometida em manter a estabilidade da moeda".
Por desoneração da folha de pagamento, ele entende o fim do salário-educação, a reformulação nas fontes de recursos para o "Sistema S", e, principalmente, a mudança nos cálculos da contribuição para a Previdência Pública.
Embora admitindo que a proposta de um imposto declaratório é suscetível de evasão fraudulenta, o documento do ministro assinala que tende a prevalecer em sua reforma a idéia de substituir a folha se salários pelo faturamento como base para cobrar a parte patronal da contribuição previdenciária.
(Isso acontece já na área rural, registrando uma arrecadação mínima, apesar da pujança do agro-negócio).
Mais uma vez, como vimos, o ministro do PDT caiu na roda e até o momento tem demonstrado que seguiu aquele conselho da ex-ministra Marta Suplicy: relaxou e gozou, porque vale mais um cargo na mão, do que o confronto com os podres poderes.

coluna@pedroporfirio.com

postado por Pedro Porfírio. às 15:55

A Democracia Sangra

25 de junho de 2009
 

A DEMOCRACIA SANGRA

 

Na história de nosso país, foi imensurável o sacrifício de grandes pensadores da democracia brasileira, de homens de grande valor cívico e patriótico que prestaram serviços relevantes à república desde a sua proclamação por Deodoro da Fonseca em 1889. Tanta gente que enfrentou violentas ditaduras militares e seus perversos métodos opressores para calar as vozes populares e suas liberdades de expressão. Até mesmo muito sangue brasileiro foi derramado no país para consolidar as tão festejadas instituições democráticas e suas formas de representatividade com o sentido de zelar pelos interesses soberanos da nação.

Tantas batalhas, levantes, repressões, golpes, tudo para desencadear a vitoriosa retomada da democracia em 1985 e firmar um belo exemplar de carta magna em 1988. Pois agora, interpretando as notícias de corrupção política que assolam os jornais diariamente, maculando o parlamento, tem-se a sensação de que absolutamente nada deste sacrifício republicano em prol da democracia valeu à pena.

A indignação é tão grande que muitas vezes se transforma perigosamente em resignação, diante de um falso sentimento de incapacidade perante esta degradação ética e escândalos compulsivos, um atrás do outro, denotados em roubalheiras de todo tipo. Assim como é falsa a sensação de que nosso parlamento está completamente corrompido, também é exaustiva, porém verdadeira, a afirmação de que só o povo pode mudar este quadro político através do exercício pleno da cidadania: o voto consciente.

Pobre Democracia brasileira! Indignos estes representantes políticos que não honram ao sacrifício de gerações pretéritas, nem têm vergonha de roubar de um povo saqueado desde sempre. Por outro lado, salve os patriotas exemplos de dignidade e moral, como Darcy Ribeiro, que nos ensinou um dia que “só há duas opções nesta vida: se resignar ou se indignar. E eu não vou me resignar nunca”. 

 

Christopher Goulart

Advogado, neto de Jango.

postado por Christopher Goulart às 17:10

POLÍTICA DIARIO LA REPUBLICA

23 de junho de 2009

Nieto de Joao Goulart presentó documental

 

El nieto del ex presidente brasileño Joao Goulart presentó ayer en conferencia de prensa el film documental "Jango en tres actos", que narra la historia política de su abuelo, desde su derrocamiento en 1964 hasta su muerte en el exilio, en 1976.

Marcos Goulart, nieto del primer presidente brasileño muerto en el exilio, participó del proyecto producido por la Tv Senado de Brasilia, por el cual se rastreó la vida de "Jango" en el exilio. El proyecto demandó dos años de filmación y un año de edición.

La idea surgió tras una entrevista del periodista Roger Rodríguez al ex integrante de la inteligencia uruguaya Mario Barreiro Neira ­publicada en LA REPUBLICA en 2002­, en la cual confesó integrar el grupo especial encargado de asesinar a "Jango", explicó Marcos Goulart.

Los realizadores se propusieron, por tanto, entrevistar al ex integrante del Grupo Gamma, recluido en una cárcel de máxima seguridad de Porto Alegre por delitos comunes. Barreiro Neira confesó ante las cámaras que realizó seguimientos y escuchas telefónicas de "Jango" desde 1973 hasta su muerte en 1976, y afirmó que el ex presidente no murió de un paro cardíaco sino que fue envenenado.

Marcos Goulart se mostró "orgulloso" por participar en la elaboración del documental, en el cual "no hay banderas, ni del Frente Amplio ni del Partido Nacional ni del Partido Colorado; es (acerca de lo) que pasó en las dictaduras y que pasó con mi abuelo".

La presentación incluyó la emisión de un extracto de ocho minutos del documental con declaraciones de Barreiro Neira ante los periodistas norteños. La diputada del MPP Nora Gauthier dijo que las imágenes fueron "muy duras, impactan, aun para los que somos de esa época y hemos vivido y testimoniado esa dura época en nuestro país". El documental será presentado el lunes 6 de julio en la Sala Cinemateca de 18 de Julio y Yaguarón.

 

Fuente : Diario La Repúublica 23 de junio

postado por Marcos Goulart às 16:56

Cartelera Espectáculos lunes 22 junio Diario El País.

22 de junho de 2009

 

 

 

Espectáculos

Presentan película sobre Goulart

El ex presidente brasileño es tema de "Jango en tres actos"

 

Hoy a las 10 de la mañana tendrá lugar en el edificio anexo del Palacio Legislativo el lanzamiento del film Jango en tres actos, un documental brasileño sobre la personalidad y especialmente la muerte del ex-presidente Joao Goulart, derrocado por un golpe militar en 1964. El acto, que es apoyado de la Comisión de Derechos Humanos de la Cámara de Representantes, contará con la presencia del licenciado Marcos Goulart, nieto del fallecido presidente, y diversas figuras políticas y empresariales.

Goulart pasó parte de sus últimos años en Uruguay y murió en la Argentina en 1976, en un episodio que con el tiempo (y este film aporta material al respecto) se revelaría como un asesinato.

La película, producida por TV Senado de Brasilia y dirigida por el periodista Deraldo Goulart, nació entre otros factores de la entrevista que el uruguayo Roger Rodríguez realizara en 2001 al asaltante de bancos Mario Barreira Neira, detenido en una cárcel de máxima seguridad de Porto Alegre, quien confesó (y repite ante cámaras y ante uno de los hijos de Goulart) el haber participado en el crimen.

El rodaje de Jango en tres actos llevó a su equipo de filmación a un largo periplo que comenzó en Brasilia y continuó en Rio de Janeiro, Porto Alegre, Santa María, Sao Borja (ciudad natal de Goulart), Corrientes (Argentina), Río Uruguay, Paso de los Libres, Uruguayana, Artigas, Montevideo y Canelones . Entre quienes brindan su testimonio aparecen en pantalla varios familiares del ex-presidente, el Dr. Jair Krischke (fundador del Movimiento Justicia y Derechos Humanos de Brasil, ya proclamado visitante ilustre de Montevideo, y una suerte de ícono en la materia), y políticos uruguayos como Carlos Julio Pereyra y Rafael Michelini, quienes aportaron (no son los únicos) anécdotas e historias sobre el exilio de Goulart en el Uruguay.

Estreno en el festival

El lunes 6 de julio, "Jango en tres actos" será presentada al público en Cinemateca 18, en el marco del Festival de Cine de Invierno. Se espera que para el estreno pueda viajar la viuda de Goulart, María Teresa, junto a dos de sus hijos, Dense y Joao. El licenciado Marcos Goulart, quien vive en Montevideo, es egresado de la facultad de Ciencias de la Comunicación de la Udelar y ha estado ampliamente vinculado al proyecto. Insiste en que el mismo "aporta un gran contenido cultural a nuestras sociedades latinoamericanas".

 

Fuente : Diario El País lunes 22 junio .

postado por Marcos Goulart às 18:04

O revanchismo e a rachadura

19 de junho de 2009

                                  

Há alguns dias o Ministro da Defesa,  Nelson Jobim, declarou que a punição para os militares acusados de terem torturado pessoas durante a ditadura militar é revanchismo, que não contassem com ele para tal objetivo. E mais, que se assim o Brasil o fizesse,  ficaria escravo do passado e que devemos olhar prá frente, ter os olhos no futuro.

Não sei bem por qual motivo, veio-me  à cabeça certas frases, “Prá frente Brasil”, “Brasil, país do futuro”, “Brasil, gigante adormecido”, “Ninguém segura este País”. Talvez pelo fato de ver o meu País, em alguns momentos pontuais, adiando questões presentes, postergadas a um "futuro", sempre por acontecer.

Bem, mas voltemos às declarações do Ministro da Defesa que disse ser revanchismo a punição para os militares torturadores.

Vale a pena antes ressaltar que os militares torturadores não foram a maioria.

Não foram todos os militares que rezaram a cartilha da Segurança Nacional da Escola das Américas gerenciada pelos EUA, onde se ensinava  como se obter tal segurança, reprimindo, torturando e assassinando os “inimigos” do País, os comunistas e seus simpatizantes.

Também não foi a maioria dos militares que teve a desonra de exportar técnicas de tortura para outros militares de  Países da América Latina, com métodos mais avançados e  eficazes para obtenção de informações através do suplício.

Não foram todos os militares  os responsáveis pela perseguição a outros militares, cidadãos brasileiros cujo único “crime” foi desejar um País com diferenças menos díspares, um País mais justo.

Quando a Nação brasileira reivindica a punição dos torturadores, não está propondo  “olho por olho, dente por dente”.

O revanchismo é  atitude que não passa pela elaboração consciente do saber jurídico.

Como sociedade civil organizada, sob o Estado Democrático de Direito, a Nação requer que se faça justiça.

Fazer justiça implica a revisão da Lei da Anistia, lei esta, promulgada sob um regime ditatorial.

Fazer justiça implica, no caso, a apuração das mortes , desaparecimentos, assassinatos e torturas que são crimes cometidos sob o Regime Militar implantado no Brasil com o Golpe Militar de 1964.

Não investigar tais crimes e não punir os seus autores, coloca em questão a própria natureza do que seja Justiça.

Ao contrário de outros Países de nosso Continente, poderíamos vestir a camisa do País da impunidade, sem nenhum conflito.

E  aí sim, estaríamos condenados  a sermos escravos de um passado em aberto.Seríamos uma Nação cindida.

A Memória ficaria com uma rachadura denunciadora de uma ferida não estancada, de perene hemorragia  dos torturados e ofendidos deste nosso País dos idos 1960. 1970, 1980...

 

 

 

   

 

   

 

postado por Maísa Paranhos. às 01:05

Artigo: Memórias de uma política externa independente

19 de junho de 2009

 

 

Memórias de uma política externa independente.  

A notícia mundial veiculada na semana passada de que a Assembléia da OEA revogou a medida que suspendeu Cuba da entidade em 1962, foi celebrada como um grande avanço político aos objetivos que se propõe esta entidade, que inclui o fortalecimento às instituições Democráticas das Américas e assuntos relacionados ao comércio e integração. Porém, tal presságio de solução para a reintegração da ilha ao sistema globalizado da economia mundial, sem restrições e embargos, não encontrou respaldo do líder da Revolução Cubana, que acusa a Organização de ser cúmplice de todos os crimes cometidos contra seu país. Em seu artigo intitulado “O Cavalo de Tróia”, Fidel Castro diz que nenhum país da América Latina pode negar que foi, em algum momento, “vítima das intervenções e agressões políticas e econômicas de governos dos Estados Unidos.”

Nesse aspecto, leviano seria tirar razão ao Comandante, pois basta uma simples análise do que representaram as Ditaduras Militares em toda a América Latina, e vamos compreender que os Estados Unidos da América, signatário da Carta da OEA, patrocinaram direta e indiretamente a todos estes tristes regimes de exceção, onde se atentou contra as liberdades democráticas. Tal carta internacional foi criada no ano de 1947, e no seu artigo 19 está escrito que “nenhum Estado ou grupo de Estados tem o direito de intervir, direta ou indiretamente, seja qual for o motivo, nos assuntos internos ou externos de qualquer outro. Este princípio exclui não somente a força armada, mas também qualquer outra forma de interferência ou de tendência atentatória à personalidade do Estado e dos elementos políticos, econômicos e culturais que o constituem.”

O mais interessante é que já em 1962, ano da exclusão de Cuba da OEA a mando do Presidente Kennedy, o Governo brasileiro da época, adepto ao princípio da autodeterminação dos povos e contrário à ingerência nefasta nas soberanias dos países, tinha como Ministro das Relações Exteriores o notável cidadão chamado San Tiago Dantas, que na conferência da OEA de Punta Del Este de janeiro de 1962 opôs-se às sanções contra Cuba e absteve-se da resolução que suspendia o governo cubano da OEA. Era a política externa independente do Governo João Goulart aplicada na prática, e poucas vezes a opinião pública brasileira mobilizou-se em assuntos de política internacional como fez naquele janeiro de 1962.

Tal posicionamento consolidado de política externa, juntamente com tantas outras medidas reformistas de caráter nacionalista, provavelmente tenha sido umas das grandes causas para a grande ingerência dos Estados Unidos em nossa soberania, esta ocorrida no dia 1° de abril de 64, e é exatamente aí onde reside a ligação da história republicana de nosso país com a dura realidade econômica imposta a Cuba durante longos 47 anos. Fomos contrários às sanções contra Cuba, decisão esta jamais olvidada naquele país.

Decisões de graves sanções e intervenções internacionais como estas, tanto em Cuba como no Brasil, que contrariam à própria carta da OEA, são revestidas de traição a pactos constitucionais e internacionais, traição a processos democráticos, traição ao Estado de Direito, traição aos interesses soberano das nações, ao patrimônio e às suas culturas. A recuperação de nossa soberania republicana é um processo que deve ser amadurecido pela sociedade, e por isso vale lembrar a política externa independente daqueles tempos, num país onde a memória é facilmente esquecida.    

 

 

Christopher Goulart

Advogado, neto de Jango.

 

 

 

   

 

 

 

 

postado por Christopher Goulart às 00:01

Lupi foi apenas uma isca na guerra pelo controle da Previdência.

16 de junho de 2009

Lupi foi apenas uma isca na guerra pelo controle da Previdência

De como Lula e sua máquina "biafraram" o PDT e similares(IV)


"O Brasil está na mira dos fundos de pensão norte-americanos, que têm uma capacidade de investimento de US$ 5 trilhões em mercados emergentes.O diretor da AFL-CIO (Federação Americana do Trabalho), Stanley Gacek, se reuniu hoje com o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, para discutir os critérios utilizados pelos fundos norte-americanos para investir em outros países. A AFL-CIO é a principal central sindical norte-americana, e Gacek é amigo pessoal do presidente Luiz Inácio Lula da Silva".
FOLHA DE SÃO PAULO, extraída da minha coluna na TRIBUNA DA IMPRENSA de 5 de setembro de 2003 (
republicada agora no blog).

Luiz Gushiken, um arquivo vivo dos acordos secretos de Lula na área, ainda é quem dá as cartas na Previdência
 
A impressão que tive nesse episódio narrado ontem é que Carlos Lupi bateu no banheiro masculino e alguém gritou, lá de dentro:
- Tem gente!
Apertado, entrou na porta ao lado. Era o banheiro destinado a deficientes.
Trocando em miúdos: Informado desde o início de março que seria o ministro da Previdência, o presidente do PDT se preparou para enfrentar um dos maiores desafios - provar que a previdência pública é viável, ao contrário do que propagam os abutres comandados por Luiz Gushiken, o ex-libelu e ex-sindicalista que virou consultor previdenciário de mão cheia.
Teria a seu lado, além de Manoel Dias, advogado brilhante e profundo conhecedor da matéria, uma plêiade de auditores fiscais altamente preparados e dispostos a demonstrar que o modelo previdenciário brasileiro, baseado na solidariedade entre gerações, ainda é o mais indicado para o nosso país.
De sobra, teria também a seu dispor os verdadeiros números da Previdência, que só é deficitária nas contas marotas dos prepostos do sistema financeiro. Seria uma Previdência capaz de intervir para evitar tragédias, como a que massacrou os aposentados do Aerus (Varig e Transbrasil) e maquinações, como as que forçaram os beneficiários dos grandes fundos , como o Petros, a mudarem suas regras no meio do jogo.
Medo de um novo Brito e....
Mas a turma do PT não dorme em serviço. Lembrou que foi numa gestão corajosa à frente desse Ministério que o então deputado gaúcho Antônio Britto "bombou" politicamente e se tornou o melhor nome do PMDB para suceder Itamar Franco, de quem era ministro, nas eleições de 1994, possibilidade que recusou para disputar e ganhar o governo do Rio Grande do Sul.
O mesmo grupo também não admitia que o ministério lhe escapasse às mãos grandes como aconteceu na primeira "reforma ministerial do governo Lula", em 2004, quando Ricardo Berzoini foi deslocado para o Ministério do Trabalho para dar lugar ao senador peemedebista Amir Lando que, por sua vez, passou a cadeira ao colega Romero Jucá. Estes dois prejudicaram em parte o esquema petista, mas criaram os seus, levando Lula a pôr no lugar o "técnico" Nelson Machado numa longa interinidade, de 21 de junho de 2005 até 29 de março de 2007.
Apesar do decantado déficit, a Previdência é disputada por dentro e por fora. De 1985 a 2007, teve nada menos de 17 ministros, cada um com seu cada um.
Balão de ensaio
A cogitação do nome de Lupi para aquela pasta pareceu, aos mais vividos, um tremendo balão de ensaio, uma jogada com segundas intenções em que ele foi exposto como calouro de calças curtas no mundo enigmático dos podres poderes.
Nesse jogo sujo, é muito provável que Lula e sua entourage viessem tentando recompor os elos originais, estabelecidos em 2003, com o esquema internacional comandado por seu influente amigo ( e monitor) Stanley Gacek.
O ambiente de 2007 era semelhante ao de 2003, com a vantagem do replay eleitoral e a desvantagem da contagem regressiva de 4 anos.
A relação com os interesses representados por Stan, como Lula tratava o diretor de relações internacionais da Central Sindical AFL-CIO, havia sido confiada a Gushiken, com a ajuda de do advogado e ex-deputado federal Luis Eduardo Greenhalgh.
A saída de Ricardo Berzoini em 23 de janeiro de 2004 gerou uma zona cinza nesses laços, que se tornou mais escura com a derrota de Greenhalgh na disputa para a Presidência da Câmara, em fevereiro de 2005.
A força de Gushiken e Stan
Em junho desse ano, para restaurar em sua plenitude os vínculos com os grupos financeiros intermediados por Stan, visando a uma maior participação de fundos estrangeiros no Brasil, Lula devolveu a hegemonia total da política previdenciária ao grupo de Gushiken, que, por sua vez, alvejado no escândalo do "Mensalão", perdeu o status de ministro e foi para a sombra do chamado Núcleo de Assuntos Estratégicos, de onde continuou mexendo seus pauzinhos em que se especializara através da sua empresa Gushiken & Associados, criada em 1998 e rebatizada em 2002 como Global Prev. Essa empresa foi apontada em 2003 como a verdadeira autora da reforma da Previdência de Lula pelo consultor legislativo Magno Mello, em seu livro "A Face Oculta da Reforma Judiciária". No período em que o "chino" dava as cartas, aumentou seu faturamento em 600%, tendo com principais clientes os fundos de pensão.
Embora Gushiken tenha maior interesse na área dos fundos de pensão, que ainda controla, conforme denúncia dos conselheiros do Petros eleitos em maio, derrotando a CUT, ele é bastante temido como um arquivo vivo dos acordos secretos envolvendo a campanha de Lula em 2002.
Rainha da Inglaterra e porta-voz do CAGED
Lupi entrou como bucha de canhão na guerra fria que se processa nos bastidores do petismo e associados. Ele não viu porque era um neófito na corte. Se viu, consentiu. E, a bem da verdade, até hoje se presta a essa condição, com suas características pessoais, seu modesto nível de exigência política no trato da fatia que lhe foi destinada e seu singelo deslumbramento, como demonstrarei mais adiante.
Contudo, ao engolir a mudança de pasta nos acréscimos da "reforma ministerial", Lupi abriu sua guarda por antecipação. Mostrou uma personalidade fraca e demonstrou de forma explícita que aceitava qualquer coisa, embora o Ministério do Trabalho, hoje convertido numa agência de programas sociais e informações estatísticas, tenha sido historicamente um espaço dos trabalhistas.
A rapidez com que aceitou seu deslocamento demonstrou que estaria disponível para exercer qualquer papel no jogo do poder, desde que pudesse desfrutar do prazer pessoal e das mordomias que um cargo de Ministro de Estado oferece.
Não foi difícil para Lula aplicar no seu dócil aliado as regras análogas às da Rainha da Inglaterra, que "reina, mas não governa". Traduzindo na fria realidade dos fatos, nesses 26 meses no Ministério, o mesmo em que Jango foi peça chave no tempo de Getúlio, o atual titular virou uma espécie de porta-voz do CAGED, o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, criado pela Lei 4.923/65, sob inspiração do ministro Arnaldo Sussekind, que, apesar de nomeado pelo general Castelo Branco, foi um grande obstáculo aos projetos para o esvaziamento da CLT, de cuja comissão elaboradora participou,em 1942, quando tinha 24 anos de idade.
Todo mês, Lupi antecipa os números colhidos por esse sistema, que reflete situações geradas muito mais pela política econômica do governo do que pela atuação direta do Ministério do Trabalho.
Fora disso, tem sido escanteado rotineiramente por Lula, do qual já se habitou ouvir de cabeça baixa constrangedoras reprimendas públicas. Essa situação é tão vexatória que até a "Reforma Trabalhista" foi confiada no sapatinho a Mangabeira Unger, o tal ministro de Assuntos Estratégicos, que concluiu sua clamorosa proposta sem nunca ter ouvido um só palpite do ministro do Trabalho e Emprego.

postado por Pedro Porfírio. às 14:07

ESTRENO DEL FILM JANGO EN TRES ACTOS - URUGUAY -

13 de junho de 2009
 

Estimados amigos:

 

Tengo el agrado de invitarlos a la presentación del film " Jango en Tres Actos" el próximo lunes 6 de julio a las 19:00hs en sala Cinemateca de 18 de julio y Yaguarón.

 

Contaremos con la presencia de varias personalidades del ambiente político así también como del ámbito empresarial. La película de género documental fué financiada por el gobierno brasileño y realizada gracias al apoyo incondicional del Instituto Presidente Joao Goulart afianzado hace más de 8 años en Brasilia. ( www.institutojoaogoulart.org.br ).

 

Es un orgullo para mí, como nieto del ex presidente brasileño y egresado de la facultad de Ciencias de la Comunicación (Universidad de la República) haber integrado y formado parte de este proyecto cinematográfico que surge a raíz de una entrevista realizada por el periodista Roger Rodríguez del Diario La Republica en 2001 a Mario Barreira Neira – uruguayo preso por asalto a bancos en una cárcel de máxima seguridad a 70km de la ciudad de Porto Alegre. Quien declara ante las cámaras y en presencia de Joao Vicente Goulart, hijo de la víctima haber participado del operativo y seguimiento hasta lograr la muerte del presidente Goulart en 1979 en su estancia La Villa en el pueblo Mercedes Provincia de Corrientes Argentina.

 

Jango en Tres Actos, es una producción de la TV Senado de Brasilia. A quienes agradezco lo buenos y malos momentos vividos a lo largo de todo el rodaje. Partiendo desde Brasilia, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Santa María, Sao Borja, Corrientes, Paso de los Libres, Uruguayana, Artigas, Canelones para finalmente abordar en Montevideo con diversas entrevistas, entre ellas al Presidente del Partido Nacional – Prof. Carlos Julio Pereyra, Senador Rafael Michelini, Roger Rodríguez entre otros personajes del interior quienes compartieron anécdotas de la vida íntima y pública de Goulart.

 

En definitiva, un film con un gran aporte cultural a los países Latinoamericanos y que traslada al espectador desde los comienzos de la guerra fría hasta los años ochenta y sobre un orden cronológico claramente dividido en Tres Actos:  

 

Origen,  gobierno y la muerte en el exilio de Goulart.

 

 

 

 

 

Contamos con su presencia el lunes 6 de Julio a las 19:oohs

 Sala Cinemateca de 18 de julio y Yaguarón.

Abierto a todo el público.

 

Atte:

 

      Lic. Marcos Goulart

 

postado por Marcos Goulart às 18:52

"Os urubus nas asas do Cóndor". Artigo, João Vicente.

09 de junho de 2009
Os urubus na carona do condor.

Quando se instituiu na América Latina a triste e bem montada operação Condor sabíamos que os urubus que estavam a serviço das ditaduras latino-americanas dentro dos quartéis, dos DOI-CODI, nos CENIMAR da vida, ou melhor, da morte, que nos trouxe os desaparecimentos, os assassinatos premeditados, os seqüestros ilegais, as torturas e da imposição da força bruta contra a humanidade, intuíamos que esta orquestração era muita bem planejada e com o apoio externo da política americana através da CIA que operava e opera clandestinamente a favor dos grandes grupos multinacionais que dominavam e dominam a economia, os agentes dos diversos serviços secretos pegavam carona nas costas da prepotência do extermínio.

A espera que os processos identificados e com pedido de abertura de ação civil pública dormem na morosidade da burocracia da justiça, enquanto os urubus que pertenceram como agentes da ditadura caminham impunemente ao lado das vítimas que fizeram, quando voando nas asas do “Condor”, mataram políticos exilados em terras estrangeirais através de venenos, bombas e seqüestros premeditados, de todas as nacionalidades.

Este é o caso do pedido de investigação da morte do Presidente João Goulart, que corre em Porto Alegre encaminhado á Procuradoria da República pelo Instituto João Goulart sob o N° MPF/PGR 1.00.000.011824-34, e que até hoje não teve resposta para a sociedade brasileira, que deseja e quer o esclarecimento da participação do governo ditatorial do Brasil envolvendo o delegado Fleury, A CIA e o serviço secreto uruguaio na sub-operação chamada de “Escorpião” que terminou com a vida de Jango.

Estamos convictos hoje que o silêncio e o retardamento de esta investigação se deve ao reflexo que ela traria no debate da tão necessária revisão da lei de anistia em nosso país.
Seu esclarecimento traria na carona outros esclarecimentos: os corpos do Araguaia, a participação direta dos altos escalões militares nas ações de extermínio, o aparelhamento de instrução de torturas da CIA através de agentes americanos no país de vários Dan Mitrione, a entrega do sub-solo nacional, ou seja a entrega da soberania nacional.

Não mais é possível que não se puna definitivamente os agentes da ditadura que embarcaram nas asas do condor. Nossa sociedade que já alcançou a maturidade política e consolidou a democracia deve seguir o exemplo de outros países como o Uruguai, Argentina, Chile e até o Paraguai, que fizeram esta revisão impedindo a prescriptibilidade e impunidade destes crimes. Colocaram na cadeia e processaram criminalmente aqueles que cometeram crimes considerados de “lesa-humanidade”.

O Brasil não pode mais adiar em rever esta ferida. Seus cidadãos e cidadãs necessitam imperiosamente conhecer o seu passado e punir seus agressores.

Pode-se anistiar atitudes e pode-se perdoar erros, mas não podemos renunciar o entendimento da justiça não punindo os atos cometidos contra a Pátria. Em nome da soberania, da liberdade e da verdadeira justiça devemos ir adiante com esta revisão.
Alguém antes lutou e perdeu a vida nas mãos destes urubus carniceiros da morte e da tortura.

È em seus nomes que lutaremos.

È em seus nomes que limparemos a alma.

Vamos rever esta lei de anistia!

João Vicente Goulart,
Brasília 08/06/2009.
postado por Joao Vicente Goulart às 02:09

Exposição documental assinala episódios da Ditadura Militar no Brasil

04 de junho de 2009
Para assinalar os 45 anos do golpe militar no Brasil e os 30 anos da Anistia, a Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul recebe a exposição “Verdade e Memória: A Ditadura Militar no Brasil”. A abertura será na próxima segunda-feira (8), às 17h30, no saguão de entrada da Assembleia Legislativa (Praça Mal. Deodoro, 101) e permanece até o dia 17 de junho para visitação das 8h30 às 18h30. Com entrada franca.
A exposição reúne textos e quatro fotos de Evandro Teixeira, impressas em grandes banners, sendo três delas da “Passeata do Cem Mil” e uma da prisão dos estudantes no Campo do Botafogo/RJ. A exposição tem a curadoria da jornalista Paola Oliveira e fez parte da mostra “1968/2008 - Da Resistência à Globalização”, realizada na Faculdade Cenecista de Bento Gonçalves em 2008.
Evandro Teixeira realizou importantes registros do cotidiano e da história da vida brasileira. O fotógrafo acompanhou desde a trajetória de presidentes brasileiros à morte do poeta Pablo Neruda, no Chile. Seus trabalhos já foram expostos em importantes cidades do mundo. Ele possui quatro livros publicados, entre eles “Evandro Teixeira – Fotojornalismo”, “Canudos 100 Anos” e “68 Destinos – Passeata dos 100 mil”.
O apoio à exposição “Verdade e Memória: A Ditadura Militar no Brasil” integra as atividades deste ano da Assembleia Legislativa de valorização da Democracia. Realização do Complexo Cenecista de Bento Gonçalves (CNEC), o evento conta com o patrocínio dos Hotéis Dall’Onder, Infoserv Escola de Informática e Farina Componentes Automotivos, e o apoio cultural da Casa Bucco, Cave Marson e Farofa Restaurante.
Por Luiz Carlos Barbosa / Foto Evandro Teixeira
João Alexandre Goulart / Correspondente RS
 
postado por João Alexandre Goulart às 19:13

Plagiando Brecht ou a direita presente

03 de junho de 2009

              

Século passado, o poeta e dramaturgo alemão  Berthold Brecht, homem  banhado de indignação com o nazismo ascendente na Alemanha de então, escreveu um poema muito utilizado nos livros didáticos “Perguntas de um operário que lê”. E aí, inocentemente, o “operário que lê” vai interrogando a respeito dos absurdos que sua mente inquieta detecta na história humana. Questiona se Alexandre e Cesar ganharam as guerras sozinhos. Quem realmente ergueu os “Arcos dos Triunfos” no mundo e assim por diante.

Lembra-me um pouco a letra da música de Chico, o Buarque, “Almanaque” em que o poeta faz perguntas escabrosas para serem respondidas - “Diz quem foi que inventou o analfabeto / e ensinou o alfabeto ao professor? / Me diz, me diz, me responde, por favor...”

Hoje, tentando entender o meu tempo e o que nele se passa, coloco-me algumas interrogações a respeito de questões sobre as quais os jornais vêm falando e também outras, que parecem esquecidas pelos mesmos jornais..

Vejo sempre um estardalhaço sobre as tais reeleições presidenciais de Hugo Chávez e agora outro estardalhaço sobre a “hipotética” reeleição de Lula.

Pergunto-me: o que fizeram os jornais quando Tony Blair, o Primeiro Ministro inglês neoliberal, aliado de Bush, se reelegeu por três vezes consecutivas? Afirmaram que ele queria se perpetuar no poder?

Também tenho visto um discurso muito favorável à Cuba, falando de soberania e do fim dos “Tribunais” em Guantánamo.Acabo de ler que a Ilha pode ser re-inclusa na OEA.

Por quê ninguém explica nos jornais o que é que os EUA ainda estão fazendo em Guantánamo?

Estão falando muito da “má conduta” da Petrobrás.

Por quê não instalaram uma CPI quando FHC abriu as ações da empresa brasileira para mãos privadas quando na Presidência da República?

Dizem que vivemos um Estado Democrático de Direito.

Por quê será que a Constituição não tem garantido um ensino público e gratuito para todos? Quando foi que o ensino público começou a perder a qualidade? Quem ganhou com isso? Quem perdeu de fato?

Por exemplo, dizem que vivemos uma democracia, um regime de maioria.

Então por que será que a maioria dos camponeses não têm terras para plantar se nosso País é tão grande ? Quem privatizou a terra indígena? Quem são hoje seus herdeiros?

A Natureza anda meio braba com o que andam fazendo contra ela.

Por quê sempre são os bairros populares os bem mais afetados pelas catástrofes?

Outra questão que tenho me colocado: andaram chamando a ditadura militar de “ditabranda”.

A ditadura foi branda para quem?

Em 1964 teve início em nosso País um regime despótico.

Por quê será que um historiador qualificou o Regime Militar no Brasil de “ditadura à brasileira”? Será que ele quis insinuar que existe um “jeitinho brasileiro” de torturar? De assassinar? De cassar mandatos? De perseguir? De banir?

O Delegado do DOPS paulista , Paranhos Fleury, é conhecido por todos como um torturador e assassino a serviço da ditadura militar.

Por quê teve este Delegado uma missa rezada em seu nome pelos 30 anos de sua  morte?  Quem o considera “herói nacional”, conforme  escrito em foto na coroa de flores da Igreja? Por quê será que no dia seguinte à sua morte, um grande jornal carioca publicou em manchete “Fleury  morre sem prestar contas à Nação”?


“Tantas histórias

Quantas perguntas

 

 

  

 

 

postado por Maísa Paranhos. às 23:58

Jango, um incômodo

03 de junho de 2009

                                           

Há 45 anos o Presidente João Goulart foi deposto pelos grandes incômodos que causava. Às elites brasileiras, pela defesa da justiça social; aos latifundiários  por defender a Reforma Agrária; aos  representantes do capital estrangeiro, por defender o desenvolvimentismo nacionalista e a Lei da Remessas de Lucros; aos militares,  por  colocar a esquerda em  seu governo; incomodou também um grupo de arcaicos burocratas  pelo seu jeito despojado e inovador de governar; um incômodo, sem dúvida, para os empresários desejosos de congelamento salarial e de créditos bancários; parte da esquerda foi incomodada também porque ele propunha um projeto de nação e  não a insubsistência de um projeto revolucionário .

As nações ricas do mundo, incomodou muito, pois propunha a união dos países dos três continentes : América ( Latina ), África e Ásia e em plena Guerra Fria defendia a soberania dos povos , contra a expulsão de Cuba da OEA ; incomodou alguns sindicalistas desavisados que não viam o que se prenunciava: o Golpe. Jango incomodou alguns parlamentares de seu próprio Partido , o PTB, que lhe negaram apoio numa emergência em que fora solicitado pelo Presidente o Estado de Sítio, pouco falado, pouco conhecido. Tabu.

João Goulart ficou isolado. Entregou-se de peito aberto ao povo que o entendia e nele confiava. Mergulhou de  corpo e alma na empreitada em defesa do que acreditava ser o melhor para o Brasil.

As tentativas de soluções políticas eram quase impossíveis. As oposições agigantavam-se. Lançou-se como um herói trágico em defesa das Reformas de Base, pois quanto mais lutava ferrenhamente, mais se avolumavam os obstáculos. As forças da reação ganhavam  vultos descomunais, tecidas havia longo tempo pela propaganda financiada por institutos pagos por escusos dólares americanos.
Após o Golpe, foi para  o exílio e lá continuou incomodando a ditadura temerosa de sua penetração popular e de sua capacidade de negociar, pois a Frente Ampla, composta por ele, JK e Lacerda  , foi proibida , ocorrendo um endurecimento ainda maior da ditadura. Tentou ainda alinhavar as esquerdas exiladas e aí a ditadura, parece, foi implacável.

Para a reação o incômodo não tinha fim. Não bastou a deposição, a ameaça de morte, o exílio. Não bastou a proibição da Frente Ampla como alternativa de resistência. Não bastaram os fios de cabelos brancos e a tristeza do apátrida. A distância sem promessa de retorno. O incômodo persistia. Era preciso aniquilá-lo.

Era preciso bani-lo não mais do País, mas da vida . E assim, supostamente, o  fizeram. Insaciáveis, quiseram-no em morte, no ostracismo, e aí , parece que a vida, coisa estranha, lhes deu o doce, deixou que saboreassem sua ausência nas ruas, nas bocas, nos jornais, nos livros e quase na Memória.

Mas quase  é mais um detalhe, e Jango começa a ressurgir para as novas gerações. Surge do pranto que não pudemos à época chorar.

Surge de suas propostas tão atuais, e do legado de  amor à sua Terra. Ressurge para ficar em seu devido lugar na História e continuar a incomodar.

postado por Maísa Paranhos. às 15:18

Ditadura e Anistia

03 de junho de 2009

Artigo publicado no jornal A TARDE em 1/04/2009                               

 

 

Quando o poeta disse que “é preciso estar atento e forte”, o verso já não mais lhe pertence. Ganhou  a boca do povo e hoje, confesso, não me sai da cabeça.

Com os 45 anos passados da ditadura implantada no Brasil através do Golpe Militar de 1964, com todas as perdas que ela representou, seria inacreditável pensar que haveria quem minimizasse seus atos.  

Com artigos como “ditabranda” e “ditadura à brasileira”, a mídia paulista  publicou  posições que minoram a ação nefasta dos anos repressivos daqueles tempos.

Estamos atualmente revendo questões tocantes à Lei da Anistia, em que a sociedade brasileira agora mais livre para se expressar, começa a se dar conta que a nossa anistia foi promulgada sob a ditadura, portanto essa mesma anistia não poderia ser a que o povo esperava e necessitava, muito menos e por isso mesmo, poderia ser justa. Tornou-se lei sem que a sociedade  tivesse  podido estabelecer um amplo e livre debate. Ao contrário, nossas manifestações em prol da anistia se deram enquanto continuavam a ocorrer prisões e torturas.

Enquanto nação, sequer pudemos questionar  a morte de Jango, nosso  Presidente deposto pelo Golpe Militar em 1964, que teve seu corpo trazido já sem vida para terras brasileiras e de cuja morte, hoje sabemos, existem fortes indícios de  assassinato, conforme publicação recente da revista “Carta Capital”.

Em fins dos anos 1970, o povo clamava por anistia e na sua ânsia por vê-la concretizada em plena ditadura,  a sociedade como um todo,  com suas feridas abertas e cheia de saudades do Brasil, de um Brasil interrompido , saudades de seus filhos que tinham ido, alguns “prá nunca mais”, não se deu  conta que a anistia “perdoava” torturadores e torturados, igualando perante a lei as vítimas e seus algozes.

Desta forma a anistia que tivemos foi a possível para aquele momento e serviu também como estancamento da dor coletiva.

A Argentina, o Chile e o Uruguai,  países da América Latina que à época sofreram golpes militares, tiveram processos encaminhados contra os crimes cometidos pelos regimes de exceção após o retorno à normalidade do Estado Democrático de Direito.

No Brasil, a União tem tornado público os arquivos da ditadura , sendo necessário fazermos uma reflexão mais apurada dos fatos para prováveis desdobramentos.

Qual sentido teria a busca de tal documentação?  Não se trata de catarse e sim de apuração.

Acredito ser importante estarmos atentos  com essa nova onda de apagar a historia de nosso País , pois da mesma maneira que existe quem tenta negar a existência do Holocausto,  já podemos vislumbrar uma proposta de esquecimento tomando forma,  nutridora de uma passividade ideologicamente trabalhada em nossa cultura sob o pretexto de ser revanchismo, a demanda por justiça.

Estejamos atentos com tais iniciativas e sejamos fortes na irredutibilidade de nossos direitos.

 

postado por Maísa Paranhos. às 14:55

Memória de Jango

03 de junho de 2009

 

  

Artigo publicado no Jornal A TARDE em 23/01/2009

                                                                 

Neste ano que se inicia completaremos 45 anos da deposição do Presidente João Goulart e da instalação da Ditadura Militar em nosso país.

Quando a União concede anistia ao Presidente João Goulart, está reconhecendo um dano cometido pelo Regime Militar, porém claro está que nenhuma anistia restituirá nossas perdas.

O Presidente João Goulart foi o único Presidente brasileiro morto no exílio. Provas existem de seu assassinato. Assim, a anistia que lhe foi concedida, não trará de volta o Presidente que congregou em seus Ministérios a mais fina flor do pensamento nacionalista brasileiro. Foi no Governo de Jango que o debate político se deu de forma aberta, declarada.

Jango foi herdeiro de Vargas, sim, mas também foi herdeiro das dívidas do Governo JK e das "forças ocultas" que fizeram Jânio Quadros renunciar. E foi Jango, com essa herança, que enfrentou a hostilidade militar e as forças conservadoras quando assumiu um Parlamentarismo arranjado de última hora.

No retorno ao Presidencialismo, numa conjuntura de pressões externas e de um movimento sindical-grevista atuante, tentou estabelecer um projeto de nação que permitisse um desenvolvimento econômico, de cunho nacionalista, acompanhado de melhorias reais no nível de vida da população.

João Goulart ao lutar pelas  Reformas de Base, defendia mudanças estruturais no País que iam de encontro a interesses de grupos espoliadores de nossas riquezas, porém não podia ceder a uma demanda radicalizada se o Brasil não apresentava uma economia firmada e autônoma.

O que chamam de ambigüidade de Jango deve ser visto como senso político, visão estratégica. Como Estadista, não poderia lançar o País numa empreitada para a qual  não estávamos preparados: um governo revolucionário. Daí a mágoa de uma parte da esquerda.

É  de fundamental importância para a Memória Nacional, que saibamos porque João Goulart foi deposto,

quais as suas propostas, quais as suas realizações, quem realmente o temia, de quem ele defendia os direitos. Enfim, porque Jango incomodou tanto e continua incomodando até hoje.

Desta forma, compete ao Estado e à sociedade uma mobilização em torno dos 45 anos da deposição de João Goulart.

O Congresso Nacional e a Câmara Federal deverão se sensibilizar e encaminhar o que é de direito de uma nação: a garantia de sua Memória.

A História  tenta tornar visível o que na Memória é esquecido, estabelecendo aí uma busca. Nela, as ausências são também sintomáticas. É dever do Estado estar aí presente. Um projeto nacional que contribua em trazer o Presidente João Goulart para o seu devido lugar na História, com certeza minimizará nossa persistente amnésia.

1808 foi legitimamente lembrado. Por quê não, 1964?

 

postado por Maísa Paranhos. às 14:46

PT ao vivo e a cores: de como se constrói a hegemonia as avessas.

01 de junho de 2009
PT ao vivo e a cores: de como se constrói a hegemonia às avessas

coluna@pedroporfirio.com




Juntar-se a Lula é um bom negócio. Mas é também, apenas, um bom negócio. co"Lula está à direita de Fernando Henrique Cardoso ao não recompor as estruturas do Estado e não avançar na ampliação de direitos. O presidente tenta se legitimar promovendo consensos que passam pela cooptação dos mais pobres. O Bolsa Família não é um direito, mas uma dádiva. Neste sentido, vivemos na gestão dele uma regressão política, porque no governo Lula houve uma diminuição do grau de participação popular na esfera pública. E quando se projeta o cenário de 2010 percebe-se como Lula resulta regressivo. Com a força perdida pelo PT e a ausência de alternativas de Lula, uma vez que a doença de sua candidata mostra sinais de gravidade, aparece o terceiro mandato".
Chico Oliveira, sociólogo, 75 anos, fundador e desencantado com o PT, em entrevista ao jornal VALOR ECONÔMICO, de 27.5.2009.*

Nada como um programa de televisão para espelhar a essência de uma opção de governo. A Lei eleitoral oferece essa oportunidade aos cidadãos. A cada semestre, os partidos vão à tv para revelar um pouco de si.
Nesta quinta-feira, foi a vez do programa do Partido dos Trabalhadores, aquele que se fez de uma alquimia engendrada tendo como principal matéria prima a insatisfação de uma população desorganizada politicamente e de fácil manipulação, em especial, por símbolos sobrenaturais.
O PT foi o novo que se fez na ruptura da história. Não vou falar hoje das tratativas que pavimentaram sua caminhada, passo a passo, até levar à Presidência da República o "curitiano" que chegou ao sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo pelas mãos de Paulo Vidal Neto, o malabarista que, sendo de confiança da ditadura, tinha um bom trânsito no antigo Partido Comunista Brasileiro, onde militava José Francisco da Silva, o irmão de Lula que o indicou para suplente do conselho fiscal da chapa oficial "por não correr risco de perder o emprego", na Villares.
"Em toda minha vida, nunca gostei de ser rotulado de esquerda. E, na primeira vez que me perguntaram se eu era comunista, respondi: 'Sou torneiro mecânico'".
Isso é matéria para livro. Mas ao ver e rever o programa do PT identifiquei nele com uma clareza exuberante o que havia nas entrelinhas da sua trajetória matreira.
Quando se fixa em programas assistenciais compensatórios e obras de vitrine, o governo do PT cumpre ao pé da letra a sua tarefa protelatória, consentânea com o projeto pós-ditadura militar elaborado sob inspiração do banqueiro David Rockfeller e seus parceiros da super-ONG "Diálogo Interamericano".
O programa de televisão em nenhum momento tocou em temas represados, como a reforma agrária, o aviltamento salarial, a soberania nacional, especulação financeira, a precariedade da educação pública de base, a inexistência de uma política de saúde conseqüente e o agravamento da insegurança nas cidades.
Fala das privatizações de FHC, mas nada diz sobre a omissão do governo Lula, que se nega a auditá-las, apesar do gritante do seu caráter donativo. E omite igualmente a sagrada aliança com o agro-negócio, que já representou uma sequência de perdões e protelações de dívidas, cujos valores são muitas vezes superiores aos destinados aos assentamentos rurais, virtualmente abandonados à própria sorte, e aos pequenos agricultores.
Obras de vitrine para seduzir a massa excluída com a notícia de que seua vez chegará um dia
Nos seus carros-chefes, o vício da ocultação da verdade. Esse mirabolante programa de construção de um milhão de casas, com suas planilhas incontroláveis, foi concebido para tirar do sufoco a indústria da construção civil, às voltas com a drástica queda da demanda em seus projetos direcionados à classe média, e não para compensar salários que não permitem moradias decentes.
Se vai ou não vai resultar em benefício social, tenho minhas dúvidas. Com dinheiro saindo pelo ladrão, o PAC conseguiu construir até agora menos de 50 apartamentos no Complexo do Alemão, feito considerado tão significativo que levou o próprio presidente da República ao evento de inauguração, nesta sexta-feira.
A realização de obras em três grandes favelas do Rio de Janeiro é um oneroso mostruário que está longe de encarar a crônica sub-habitação, filha de rendas insuficientes. Ao um custo de 1 bilhão de reais - maior do que orçamentos anuais de muitas prefeituras, como Natal (R$ 840 milhões) e Niterói (R$ 859 milhões) - sua concepção reflete uma inescrupulosa intenção: seduzir milhões de miseráveis descartados com a notícia de que, pelo menos no Alemão, em Manguinhos e na Rocinha alguma coisa já se fez, principalmente de natureza cosmética.
No âmbito da educação, o programa do PT usou o "Prouni" como seu maior emblema. Sob o mesmo impulso do projeto de moradias, esse "achado" não é mais do que um jeito brasileiro de socorrer os mercados de ensino privados, que registraram capacidade ociosa superior a 50%. Em troca das bolsas, cujos critérios sociais têm sido fartamente ludibriados, o governo abre mão de tributos, que deixam de ser recolhidos e faltam ostensivamente nas escolas públicas.
Nessa progressão, todo piso salarial será igual ao mínimo. Essa é uma forma perversa de nivelar por baixo
O depoimento do presidente da CUT revela o alcance da domesticação do movimento sindical. Ele se gabou dos aumentos do salário mínimo, acima dos concedidos à grande massa de trabalhadores, e da revisão, ano passado, da tabela do imposto de renda.
Essa política, integrada com o "bolsa-família", cumpre um irresponsável desserviço à atividade laboral. Corrige em parte a defasagem histórica de 44 milhões de brasileiros. Correção, aliás, ainda muito distante do necessário, conforme cálculos da Gazeta Mercantil, segundo os quais para cobrir todas as despesas, o mínimo hoje deveria ser de R$ 2.141,08.
Mas nivela os salários por baixo, na medida em que os mesmos critérios de reajustes não se aplicam a quem ganham acima do mínimo. Essa tendência demonstra a significativa contração da massa salarial no país: levantamento do Dieese demonstrou que a proporção de categorias de trabalhadores com pisos salariais bem próximos do salário mínimo cresceu entre 2007 e 2008. No ano passado, o percentual de atividades com remuneração básica equivalente a um salário mínimo alcançou 5,7% - ante 3,4% em 2007. O mais grave é que a pesquisa comprovou que o valor médio do piso salarial recuou entre 2005 e 2008 de 1,73 salário mínimo para 1,34. A perda de massa salarial, não é, portanto, fenômeno exclusivo dessa recente crise econômica.
Ao adotar critérios diferentes nas correções salariais, o governo do PT expõe o seu caráter oportunista, mas não esconde a traição à massa que o endossou. Adota um critério político de viés eleitoral, pelo qual garante um volumoso capital votante, cimento de uma maioria maliciosamente amestrada. E cristaliza o projeto de governo "consensual", ao gosto das elites multinacionais e oligopolistas.
Esse PT que se mostrou pelas telas de TV e pelas ondas do rádio na passada quinta-feira é a grande panacéia que leva ao delírio o sistema internacional e faz do seu simpático condottiere um indiscreto fã do nosso operário bem sucedido.
Juntar-se a ele é um bom negócio. Mas é também, apenas, um bom negócio.
coluna@pedroporfirio.com
*Para este ano, Chico de Oliveira prepara um livro que irá retratar a construção de uma HEGEMONIA ÀS AVESSAS. Ou seja: como um líder popular carismático trabalharia no sentido contrário aos
postado por Pedro Porfírio. às 12:09