Blog Página 64

Este "blog" pretente abrir un canal de discussão da soberania brasileira em seu amplo contexto de legalidade constitutcional, seus caminhos e alternativas, que a Nação necessita para sua emancipação.

Busca

Autores

Histórico

Rollemberg: com o rei na barriga

28 de fevereiro de 2017

Rollemberg: com o rei na barriga
*João Vicente Goulart



Não é de hoje que a população do Distrito Federal conhece as atitudes do seu governador Rodrigo Rollemberg.

Além de não cumprir sua palavra com as categorias de funcionários do governo, Polícia Civil, Professores, Técnicos e auxiliares de enfermagem, médicos, Agentes do DER, Agentes do Detran, Metroviários, Na Hora, Ibran, Políticas Públicas e Gestão, Músicos da Orquestra Sinfônica, Servidores da Novacap, da Cultura, etc., etc., o governador é daqueles que se jacta na ironia de pensar que o mundo é subordinado a ele.

Um verdadeiro homenzinho com o Rei na barriga.

Agora, se não fosse triste, vemos o cinismo dele, ao dar risadas e zombar dos representantes do povo do Distrito Federal, chamando-os de “deputadinhos vendidos”, segundo reportagem do site “fatoonline.com.br” que aqui reproduzimos:



Câmara Legislativa de quatro
Rollemberg tem dado gargalhadas quando comenta com seu grupo o resultado da eleição para as comissões permanentes da Câmara Legislativa, diz rindo muito: “Não disse que esses deputadozinhos são todos uns vendidos? Bastou eu acenar com uns carguinhos para eles virem correndo de cabeça baixa e se eu quiser até de quatro pés para a base do Governo”. É triste, vergonhoso e chega a dar nojo, mas é a pura verdade.


Pois é governador, quem ri por último ri melhor! Conhece esse ditado popular?
Espere em 2018, a grande gargalhada do povo, pois mentirosos e traíras são iguais a Pinóquio: cara, corpo e nariz de pau.





*João Vicente Goulart
Diretor-IPG, Instituto João Goulart

postado por Joao Vicente Goulart às 20:42

A VERGONHA DE UM PAÍS TRAÍDO POR GANGUES NOS DIREITOS FUNDAMENTAIS DA VIDA.

26 de fevereiro de 2017
 PREVIDÊNCIA:
A VERGONHA DE UM PAÍS TRAÍDO POR GANGUES NOS DIREITOS FUNDAMENTAIS DA VIDA.
João Vicente Goulart.
 
 
 

Marcelo Caetano, Secretario da Previdência, agente publico e membro do Conselho da Brasprev.


Só podemos dizer que é ato de gangues.

A notícia de que o Secretario da Previdência, Marcelo Caetano, do Ministério da Previdência, encarregado de arquitetar e promover a Reforma da Previdência Social no Brasil pertence ao Conselho de Administração da BRASILPREV, uma empresa de seguros privados, que venderá seguros para complementação de renda, no momento em que a nossa atual previdência Social com a “reforma” encaminhada por este agente, exigirá 49 anos de contribuição do trabalhador brasileiro, deixando mais distante o benefício aos aposentados futuros, se é que haverá aposentados futuros com essas novas regras, é crime.

Não é concebível que a nomeação desta figura tão importante que haverá de condenar milhões de brasileiros a miséria após anos e anos de luta, suor e sacrifício para aposentar-se dignamente, não tenha passado pelo crivo estrito da ABIN que assessora a Casa Civil da Presidência da República, e esta, alertado que ele faz parte do Conselho de Administração de uma empresa do ramo que afetará o interesse do povo brasileiro, mostrando ao presidente Temer o grave conflito de interesses. Este detalhe não passa batido nesse tipo de análise.

Foi intencional e preparada a nomeação para isto; para trair o povo trabalhador a quem este governo devia servir, e beneficiar  empresas que virão a vender planos de previdência privada aos desprotegidos e futuros brasileiros aposentados.

Ainda bem que uma denúncia foi encaminhada à Comissão de ética da Presidência da República pela Central Sindical Pública, que representa servidores da ativa e aposentados dos três poderes (Legislativo, Executivo e Judiciário), e será também encaminhada também ao Ministério Público Federal do Distrito Federal.

Este secretario não tem mais a mínima condição de representar qualquer mudança ou projeto a ser encaminhado ao Congresso Nacional. È suspeito.

Como é sabido todos os nomeados em cargos de governo, gestores de políticas públicas, em qualquer esfera, ficam impedidos de exercer qualquer “atividade que implique a prestação de serviços ou a manutenção de relação de negócio com pessoa física ou jurídica que tenha interesse em decisão do agente público ou de colegiado do qual este participe.”.

O que se antevê, por trás da cortina da ilegitimidade é uma verdadeira operação de caça aos direitos sociais e venda posterior de uma apólice de aposentadoria privada, hipotética e fugaz, ao nosso povo sofrido, tão esperançoso como guerreiro.
 
 
*João Vicente Goulart
Diretor IPG-Instituto João Goulart
postado por Joao Vicente Goulart às 13:25

A dor de Serra é a vértebra da soberania

24 de fevereiro de 2017
A dor de Serra é a vértebra da soberania
*João Vicente Goulart





Qual a verdadeira razão do pedido de demissão do plenipotenciário Ministro de Relações Exteriores do Brasil, José Serra?

Dor de coluna, que o está impedindo de gerenciar com seriedade os trabalhos de nossa chancelaria?

Qual o diagnóstico dessas dores que somem ao atravessar a rua e voltar a ocupar seu mandato de senador, com cessões que se estendem até a madrugada? Logo na véspera de carnaval, quando as notícias da semana serão somente de ritmos, passarelas, lentejoulas e outras missangas do samba e da folia?

A obsessão pela presidência em 2018 é clara e presente nesta movimentação, e sempre é melhor sair agora de fininho para quem tem pela frente seu nome na Lava-Jato a ser exposto na mídia, e convenhamos, se acontecer como Ministro de Relações Exteriores seria a inviabilidade de qualquer pretensão neste sentido.

Todos sabemos também do altíssimo nível de informações do serviço secreto americano e seu conhecimento sobre a frágil situação política brasileira que atinge a Nação através de um governo ilegítimo e instável (com a demissão de Serra o percentual de queda de ministros é de um por mês de governo). Nunca um embaixador brasileiro, demorou tanto tempo a ser confirmado por Washington, como Sergio Amaral na administração Trump, após nosso ex-ministro Serra ter passado toda a campanha eleitoral americana como um verdadeiro eleitor de Hillary Clinton, apostando no seu neoliberalismo e sua estreita relação com o PSDB. Falou demais e agiu errado. Virou chanceler.

E por último, em ato de servilismo sem precedentes, engendrou uma negociação com o aval do Planalto da entrega da base de Alcântara para os americanos, que nem a eles agradou, de tão vergonhosa, antipatriótica e entreguista, que resultou em repulsa do setor militar brasileiro, que parece, não concordar com a entrega da base militar do Brasil. Atitude que se confirmada, devemos parabenizar nossos militares.

A coluna dói mesmo, principalmente se for a vértebra de nossa soberania.


João Vicente Goulart
Diretor IPG-Instituto João Goulart
postado por Joao Vicente Goulart às 14:51