Blog Página 64

Este "blog" pretente abrir un canal de discussão da soberania brasileira em seu amplo contexto de legalidade constitutcional, seus caminhos e alternativas, que a Nação necessita para sua emancipação.

Busca

Autores

Histórico

Defender legalidade, conclama filho de Jango

15 de dezembro de 2015
Defender legalidade, conclama filho de Jango

                           João Vicente Goulart fala sobre a chantagem e a defesa da democracia.



                    “Não podemos ceder a chantagens contra a democracia. É hora de unir forças, articular os movimentos sociais e apelar aos políticos lúcidos para que rechacem um pedido de impeachment completamente ilegal, movido por um político chantagista, investigado no Brasil e na Suíça”.

A fala é de João Vicente Goulart, filho do presidente Jango. Entrevistado com exclusividade pela Agência Sindical, na noite desta terça (8), ele alertou para “um novo tipo de golpe que se está praticando, sem presença militar”. João Vicente observa que, ao contrário de 1964, as Forças Armadas se mantêm afastadas das lutas políticas. Mas observa que o PMDB parece repetir a postura do PSD, de então.

“Na época, o PSD caiu na cantilena golpista e rompeu com o PTB de Jango. Mas quando se quebra a regra da democracia a onda acaba te atingindo também. Foi o que aconteceu com o presidente Juscelino. Ele apoiou a derrubada do governo, num movimento que reuniu militares, Fiesp e interesses internacionais, porém, acabou também sendo cassado pela ditadura”, lembra João Vicente.

Embora com críticas à política conduzida pelo ministro Levy, da Fazenda, João Vicente alerta que o que impeachment põe em xeque é o regime e as conquistas democráticas. “Não se trata de defender um governo. É mais que isso. Temos de defender a democracia”, argumenta.

Sindicalismo - Trabalhista histórico, fundador do PDT, signatário da “Carta de Lisboa”, em 1979, observa que “o sindicalismo tem suas próprias características, mas certamente tem a consciência de que, mais importante, é respaldar a democracia e não dar suporte a manobras e conluios”. E arremata: “Estou certo que o movimento sindical estará, em peso, ao lado da legalidade”.
postado por Joao Vicente Goulart às 09:42