Blog Página 64

Este "blog" pretente abrir un canal de discussão da soberania brasileira em seu amplo contexto de legalidade constitutcional, seus caminhos e alternativas, que a Nação necessita para sua emancipação.

Busca

Autores

Histórico

O Santo Davos Levy se sobrepõe a ministros no seguro desemprego.

25 de janeiro de 2015

O Santo Davos Levy se sobrepõe a ministros no seguro desemprego.


 

        O ministro Levy, novo queridinho da mídia e das elites jornalísticas, políticas e dos donos do capital mundial vem sendo tão elogiado que dá para desconfiar do real interesse de Dilma haver ganhado as eleições pela esquerda.
 
Elogiado por Christine Lègard, chefona do FMI e por nossos Mervais diariamente nos jornalões de plantão e revistas-pasquins da direita no Brasil, vem assumindo uma posição um tanto quanto de cacique ao ponto de podermos chamá-lo de Santo Davos Levy, tal a inquestionabilidade de suas palavras e repercussão em outros ministérios que não a sua pasta.
Ontem bradou ao mundo sobre a nossa “obsoleta” legislação sobre seguro-desemprego como ignorando os direitos conquistados por nossos trabalhadores e a história do trabalhismo na conquista de outros direitos relativos à relação entre capital e trabalho tão duramente alcançada durante a trajetória das lutas sindicais em nosso país, sem ao menos pedir licença a nossa história e a nossa evolução da CLT e justiça do trabalho.
Onde está a resposta de nosso Ministro do Trabalho Manoel Dias diante deste impropério vomitado pelo Santo Davos Levy na frente dos donos do Mundo lá na longínqua Suiça?
Nenhuma palavra em defesa dos nossos trabalhadores? Nenhuma manifestação?
È claro que entendemos o silêncio, só pode ser fruto do loteamento do poder e não do interesse publico e dos direitos trabalhistas que vem sendo covardemente esquecidos na prioridade do ortodoxismo econômico implantado pela sustentação do status-quo dos partidos políticos.
Para que ter um ministro calado diante destas revindicações que atingem os trabalhadores brasileiros?
Ainda bem que hoje tivemos de parte de Miguel Rossetto, Secretario Geral da presidência da República a declaração que assume o papel do Ministério do Trabalho e vir a público dizer que “o seguro-desemprego é uma clausula pétrea. Assim como o salário mínimo, jornada de trabalho, férias e aposentadoria fazem parte do núcleo duro dos direitos dos trabalhadores e representam conquistas civilizatórias”, disse Rossetto.
Está na hora de definir no quadro ministerial quem fala por quem, de quem são as atribuições de resposta quando são atropelados os direitos e conquistas da classe trabalhadora do Brasil.
Está na hora de que para o Santo Davos Levy não vire Deus, pelo haja um Rossetto para dar um aviso, mesmo que não seja ministro do Trabalho.

João Vicente Goulart
postado por Joao Vicente Goulart às 14:44

Comunicação: Um equilibrio a mais das forças populares diante dos gigantes

20 de janeiro de 2015

Comunicação: Um equilibrio a mais das forças populares diante dos gigantes



A reforma ministerial em curso da Presidente da República Dilma Rousseff, vem sendo realizada milimetricamente dirigida a estabilidade política e ao equilíbrio de forças.

As reações dos setores mais progressistas com algumas indicações nas áreas produtivas como os Ministérios da Agricultura e do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, respectivamente, já ocupados pelos senadores Kátia Abreu e Armando Monteiro Neto, assim como a área econômica, tirada da cartola, com Joaquim Levy na Fazenda e Nelson Barbosa no Planejamento, vem colocando os setores mais progressistas da esquerda brasileira em prontidão. Principalmente aqueles da “força tarefa” de vanguarda na área de comunicação; os blogueiros, os movimentos sociais e os sindicatos que vem atuando na linha de frente contra a poderosa mídia empresarial que tem tentado a todo custo , por meio de seus veículos de comunicação ou “apetrechos de combate”, através de seus conhecidos pasquins de direita, os famosos PIGs, abater em vôo o governo Dilma, legitimamente eleito e emanado das urnas no último pleito eleitoral.

É evidente que, nestas circunstâncias e como forma de equilíbrio de forças, eis que surge o nome de Alessandro Molón indicado para a SECOM, Secretaria de Comunicação Social do Governo Federal. Uma luva , na medida das mãos governamentais. O nome de Molón, após seu brilhante trabalho como relator do “Marco civil da Internet”, nos indica que o novo governo Dilma, colocará mais um instrumento de luta na mão da população e dos comunicadores independentes. Recursos da SECOM, mais equilibrados entre os grupos privados de comunicação, os comunicadores independentes e os veículos de informações sociais, como: rádios, blogs, publicações e TVs comunitárias. Isto é , sem dúvidas, bem vindo para a correlação de forças, além de que teremos na Câmara Federal o primeiro suplente do Rio de Janeiro, Wadih Damous, um verdadeiro e combativo defensor dos Direitos Humanos na tribuna da Câmara Federal.

A indicação de Molón não iguala as forças na SECOM, mas nos brinda com uma esperança diante do gigantismo golpista.

João Vicente Goulart
Diretor Presidente IPG- Instituto João Goulart

postado por Joao Vicente Goulart às 13:53